Refugiada Síria que disputou as Olimpíadas do Rio ganhará filme

Boletim Claro que é do Bem

Refugiada Síria que disputou as Olimpíadas do Rio ganhará filme

Publicado em: 21/03/2017

A história da refugiada Síria Yusra Mardini, 19, que disputou as Olimpíadas do Rio na categoria de natação, está longe de ser parecida com a das suas adversárias. Em plena guerra civil, que já matou mais de 400 mil pessoas, ela e seus familiares fizeram diversas viagens para fugir dos massacres e da violência, mas em uma delas, o motor parou de funcionar e ela e a irmã, Sarah, tomaram uma decisão que salvou a vida de seus parentes.

Filha de um treinador de natação e praticante desde os 3 anos de idade, Yusra resolveu levar o barco até a costa da Grécia nadando, revezando com sua Irma, Sarah, e durante três horas e meia conseguiram salvar a vida de todos que estavam a bordo.

Nas Olimpíadas do Rio, ela integrou a delegação dos refugiados, que pela primeira vez na história fazia parte das competições. Nadando na categoria borboleta, ela não foi tão bem e não conseguiu se classificar para as finais, ficando apenas na 41ª posição, mas a possibilidade em competir já foi uma realização “Eu me senti muito bem na água. Competir com grandes campeões é empolgante, e estar nos Jogos Olímpicos é tudo que eu quis na vida”.

Essa história ganhou grande repercussão e agora virará filme. Segundo informações do site The Hollywood Reporter, o diretor Stephen Daldry, que já dirigiu os filmes Billy Elliot e Trash fará adaptação da trama para as telonas, juntamente com a produtora Working Title. Um dos sócios da produtora a frente da adaptação, Eric Fellner, declarou sobre a dificuldade em achar histórias reais tão emocionantes “é raro encontrar uma história cuja verdade a torna emocionalmente mais poderosa do que a ficção pode ser”. O filme ainda não tem previsão de estreia, mas claro que já chama atenção pela história peculiar de sonhos, anseios e superação.

 

Fonte: Portal Uai

Comentários