Entretenimento

  1. Entretenimento
  2. Entretenimento
  3. As cinco mães mais emblemáticas da ficção
Imagem: Reprodução da internet

As cinco mães mais emblemáticas da ficção

Rádio Cast apresenta uma seleção de mães da ficção mas que se parecem muito com as nossas


Por Da Redação

Mães boas, mães ruins, amorosas, rígidas ou desleixadas. O Rádio Cast separou cinco mães da ficção totalmente diferentes umas das outras.

Vamos à lista:

EVELYN HARPER

Para começar, uma mãe que é frequentemente evitada pelos dois filhos! Evelyn Harper é a mãe vaidosa de Charlie e Alan do seriado “Two and a Half Men”. Ainda é avó de Jake, e ela raramente demonstra algum carinho ou apreço pelos filhos e pelo neto.

Evelyn é uma agente imobiliária muito bem sucedida em Malibu, área nobre de Los Angeles. Tem uma saúde boa e gasta boa parte de seu dinheiro com sapatos e roupas caras. Os filhos, frutos de seu primeiro casamento têm personalidades distintas e eles atribuem os seus problemas, como a insegurança de Alan e a incapacidade de Charlie de manter um relacionamento amoroso, como culpa da criação da mãe.

Além disso ela já fez revelações ácidas aos filhos. Em um episódio ela revelou que Charlie, o mais velho até foi um filho planejado. Mas que Alan, o mais novo foi fruto de duas margueritas em um posto de gasolina.

Apesar da personalidade ácida, cheia de ironias e interesses, ela sempre tira tempo para visitar os filhos e até mesmo os ajudar em caso de necessidade. Mesmo que isso não signifique demonstrar qualquer tipo de afeto por eles.

 

DONA FLORINDA

Florinda Corcuera y Villalpando é o nome completo da famosa Dona Florinda. Quase sempre rude, grossa e egocêntrica com os vizinhos, o comportamento é totalmente o oposto com seu filho Quico, a quem trata como “Tesouro” e não mede esforços para defendê-lo, ainda que seja de forma injusta.

Florinda cria sozinha o filho desde que ficou viúva de um capitão da marinha chamado Frederico. Depois que o marido morreu, Florinda passou a receber uma pensão, da parte do governo, porém continua se achando moral, econômica e socialmente melhor do que todo mundo, por ser de família rica e tradicional.

Faz questão de gastar seu pouco dinheiro comprando brinquedos caros para o filho Quico, para que ele se sinta superior as outras crianças da vila. Nos poucos episódios onde ela aparece sendo rígida com o filho, ela o chama pelo nome “Frederico”. É quando ele sabe que ela está brava com ele.

 ROCHELLE ROCK

“Eu não preciso disso, meu marido tem 2 empregos”. Todo mundo já ouviu essa frase clichê graças ao fenômeno que é a série “Todo Mundo Odeia o Chris” aqui no Brasil. Interpretada pela atriz Tichina Arnold, Rochelle é um exemplo de diversas mães em uma só.

Mãe de 3 filhos pré-adolescentes, ela é auto suficiente, cuida sozinha da casa e muitas vezes é a principal responsável pela criação dos filhos, já que o marido (como ela mesma lembra) trabalha em dois empregos para pagar todas as contas de casa.

Rochelle, é baseada em Rosalie Tingman Rock, verdadeira mãe do ator Chris Rock. No seriado ela é caracterizada pelo filho como “pobre e soberba” e sabe muitas variações de como bater em um filho, como “Eu te chuto de hoje até amanhã", "Arranco tua pele, faço um abajur e se quer reclamar, vai falar com o Bispo". Mas defende seus filhos com unhas e dentes e não gosta nem de pensar que alguém de fora falem ou façam mal a eles.

MARGE SIMPSON

Para muitos, Marge Simpson é a mãe modelo! Afinal de contas, como lidar com as confusões aprontadas por Homer, a eterna bagunça de Bart, a delicadeza de Lisa e Maggie que ainda é apenas um bebê?

E tudo isto sem perder o bom humor, é claro! A personagem criada por Matt Groening em Os Simpsons virou um dos símbolos não apenas na série, como da própria cultura pop.

Durante os mais de 30 anos da série, Marge já teve diversos empregos, mas gasta a maior parte de seu tempo mesmo como dona de casa, cuidando de Maggie, ajudando Lisa ou defendendo Bart da raiva de seu pai. Seu nome é baseado no nome da mãe de Matt Groening, criador da série, Marge Groening.

E a nossa primeira posição é mais que uma homenagem às mães, mas também ao artista que interpretou essa mãe e que na última quarta-feira completou 1 ano de sua morte

DONA HERMÍNIA

Ator Paulo Gustavo deu vida à Dona Hermínia, personagem que ele interpretou durante 12 anos, começando no teatro. A personagem é uma representação da mãe de classe média carioca, que tem o famoso relacionamento morde e assopra com os filhos.

Paulo disse que Hermínia foi inspirada em sua própria mãe, Déa Lúcia. Segundo ele: “Eu ainda dou uma amenizada, porque minha mãe é muito pior. Ao mesmo tempo, ela é muito amorosa, amável, defende a gente com unhas e dentes. Não imagino a minha vida sem ela.”

Sua última aparição foi no longa Minha Mãe é Uma Peça 3, causando um misto de gargalhadas e lágrimas abordando temas como significado real de maternidade e família. Não é atoa que o filme se tornou a maior bilheteria nacional da história!





Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais