Gastronomia

  1. Entretenimento
  2. Gastronomia
  3. Dia Internacional da Cerveja
Imagem: Foto: engin akyurt | Unsplash

Dia Internacional da Cerveja

Data foi criada em 2007, na Califórnia, por amigos que questionaram não existir data comemorativa para a bebida


Entretenimento

Heberth Nunes

Cozinheiro, cervejeiro caseiro e profissional, sommelier de cervejas e especialista em estilos e harmonizações


O Dia Internacional da Cerveja, comemorado na primeira sexta feira de agosto, foi criado em 2007, na Califórnia, por três amigos que questionaram não existir uma data comemorativa para a bebida.

As três intenções da data são: celebrar os fabricantes e as pessoas que trabalham com o serviço da cerveja, estar com os amigos e as pessoas queridas para saborear a bebida e promover uma celebração mundial em diferentes culturas e países.

Com propósitos tão universais não ficou difícil para a nova tradição da data se espalhar pelo mundo, estima-se hoje que seja comemorada em mais de 50 países diferentes.

Aqui no Brasil não é diferente, afinal de contas somos o terceiro maior produtor da bebida, estamos atrás apenas dos Estados Unidos e da China.

 

Outras datas comemorativas da cerveja:

Dia da Cerveja Brasileira – 05/06:

Data comemorativa criada em 2012 para celebrar a cerveja nacional.

O dia escolhido foi 5 de junho homenageando Rpprecht Loeffler, o mais antigo mestre cervejeiro em atividade na época, e proprietário da Cervejaria Canoinhense, a cervejaria artesanal brasileira mais antiga em atividade.

Lei da Pureza da Cerveja Alemã – 23/04:

Data em que se comemora a promulgação da Lei da Pureza que foi instituída na Baviera, região sul da Alemanha, e que definia que a cerveja deveria ser fabricada apenas com água, malte de cevada e lúpulo.

Essa lei visava uma melhora na qualidade da produção da bebida, muitas coisas no mínimo esquisitas eram adicionadas na produção da época.

É interessante lembrar que a levedura não era citada na lei pois não se conhecia como acontecia a fermentação da cerveja, além disso não era permitido usar malte de Trigo, esse ingrediente tinha uma proteção para a monarquia e apenas as famílias nobres podiam usar o trigo para fazer cervejas.

Na região sul da Alemanha essa data e essa lei ainda são consideradas importantes ate os dias de hoje.

Dia do Mestre Cervejeiro – 19/06

Nessa data comemora-se o dia da pessoa responsável pela produção, desde a concepção das receitas até o trabalho mágico de transformar água, malte, lúpulo e levedura nessa bebida tão apreciada por nós.

Apesar de não existirem muitos relatos históricos sobre a definição dessa data comemorativa, sabe-se que no dia 19 de junho de 1913 ocorreu uma comemoração com esse nome em Berlim, posteriormente a esse dia outras comemorações se repetiram nessa data em vários locais do mundo.

Então, independente de qual delas você prefere, aproveite para comemorar o dia com boas cervejas na companhia de pessoas queridas.

 

Como você gosta da sua cerveja, com muita ou pouca espuma?

Um outro tema que também divide opiniões é sobre a quantidade de espuma no copo de cerveja.

Fato é que a espuma é muito importante, não faz mal à saúde e nem tem sabor de álcool.

Ela protege a cerveja da oxidação, pouca espuma faz a bebida oxidar e mudar de sabor rapidamente, além disso muitos aromas do lúpulo são muito voláteis e podem se perder com pouco colarinho protegendo.

Uma camada generosa de espuma também ajuda a manter a bebida mais fria, funciona como isolante térmico.

Para estilos de cerveja muito aromáticos, muito lupuladas, o colarinho ajuda na percepção desses aromas.

Por outro lado, copo com muita espuma você pode se considerar no prejuízo pois poderá estar pagando por menos quantidade de cerveja em um copo.

Uma boa dica, para copos de tamanhos normais, é ter entre dois a três dedos de espessura no colarinho, suficiente para proteger a bebida e você não estará sendo enganado com pouca quantidade do líquido precioso no seu copo.

 


Cerveja e Alta Gastronomia

Sempre ouvimos falar de Alta Gastronomia associada ao vinho, espumante ou outras bebidas, mas será que só essas combinam com a culinária mais elaborada?

Pois saiba que na prática é justamente o contrário.

A cerveja é a bebida mais versátil que existe quando o assunto são as harmonizações com comida.

Vinhos e espumantes, que são as mais comuns de aparecerem nos restaurantes refinados, têm como base dos seus sabores e aromas as uvas e a acidez proveniente da fermentação delas.

Todos os outros sabores e aromas que podem aparecer nessas bebidas são percebidos de formas mais sutis ou em segundo plano.

Na cerveja temos variações mais amplas, amargo, doce, ácido, cítrico, frutado e até salgado são exemplos da base de sabores que podem aparecer em primeiro plano, de forma mais marcante.

Por isso a versatilidade da cerveja é maior.

Existem muitos pratos que dificilmente conseguirão ser combinados com outras bebidas, mas que podem ser facilmente harmonizados com os mais variados estilos de cervejas.

Aqui no Brasil é ainda pouco comum vermos a cerveja figurando nos restaurantes de alta gastronomia e quando isso acontece é limitado a poucos estilos, mais comuns e simples.

Fora do país, com a cultura cervejeira estabelecida há séculos, é muito fácil encontrar restaurantes de altíssimo padrão com ótimas opções de cervejas.

A cerveja precisa acompanhar a culinária refinada com estilos também refinados, bem elaborados e com sabores e aromas mais complexos.

Com essa proposta o restaurante Per Lui, aqui em BH, estreou nessa semana uma carta de cervejas muito surpreendente e exclusiva.

Acompanhando o movimento cervejeiro mineiro, que tem hoje as melhores e mais bem conceituadas cervejarias do país, surge essa proposta inovadora e criativa para a alta gastronomia.

O Per Lui trabalha com menu degustação, que já é um ponto fora do comum, e agora tem opções de cerveja que foram pensadas para harmonizar completamente com os pratos desse menu.

Foto: Acervo Pessoal | Heberth Nunes

Como destaque podemos citar uma entrada incrível: Cannoli de mortadela com gel de limão siciliano e Sushi de baião de dois com tartare de carne serenada e caviar de cebola roxa.

Esta entrada é harmonizada com a cerveja Amora Sour, do estilo Catharina Sour da cervejaria Pedrosa, uma cerveja ácida, com presença de amora, goiaba e morango, muito refrescante e que lembra um frisante.

A acidez da cerveja combina com os sabores cítricos do prato e faz um contraste com a densidade da mortadela e do baião de dois.

É um caso muito claro de cerveja que foge do comum, estilo bem diferente das amarelinhas amargas, que complementa e potencializa os sabores do prato.

Foto: Acervo Pessoal | Heberth Nunes

Um outro exemplo de como essa experiência está incrível é a harmonização com a sobremesa principal: Bolo de rolo de frutas vermelhas, mousse de chocolate branco com limão e tartare de carambola, morango e salsão.

A cerveja que combina é a Wild Barley Wine da cervejaria Zalaz, inspirada no estilo inglês Barley Wine, ela tem muita presença de malte de cevada, alto teor alcoólico, sabores que lembram ameixa seca e uva passa, e leve acidez das leveduras selvagens da Serra da Mantiqueira.

Essa cerveja parece um licor, densa e adocicada, combina por semelhança com vários sabores adocicados e frutados do bolo de rolo e do mousse de chocolate branco.

O trabalho com cervejas de alto padrão e culinária refinada no Per Lui é algo incrivelmente inovador e abre caminho para novas experiências que atualmente ainda não existem na gastronomia mineira.

Vale muito a pena experimentar, você irá mudar seus conceitos sobre cerveja.

Per Lui, rua Muzambinho 608, bairro Serra.

Quarta à sábado, de 19hs às 00h.


* Esta coluna tem caráter opinativo e não reflete o posicionamento do grupo.
Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais