Carregando...

Turismo

Imagem: Acervo / Instituto Estrada Real

Conhecendo os museus da Estrada Real

Sete visitas imperdíveis para quem quer aprender um pouco da história da maior rota turística do Brasil

Notícias

Daniel Magalhães Junqueira

Coluna de Turismo assinada por Daniel Magalhães Junqueira - Presidente do Instituto Estrada Real


Percorrer a Estrada Real representa a oportunidade única de emergir na história, na cultura e arte de uma época de riquezas sem precedentes encontradas ao longo do seu trajeto. Compondo um dos mais importantes patrimônios culturais e naturais do mundo.

Esse patrimônio é encontrado nas ruas de paralelepípedos, nos casarões, igrejas, chafarizes, praças; nas conversas com os moradores locais, nas festas folclóricas, ou seja, a história está em toda a parte das cidades históricas que compõem a Estrada Real.

Mas muito dessa história também é possível vivenciar nos inúmeros museus que guardam uma parte desse riquíssimo patrimônio da Estrada Real. Separamos alguns dos museus que é possível observar um pouco dessa história.

Museu da Inconfidência - Ouro Preto 

Em meados da década de 30, o presidente Getúlio Vargas determinou que os restos mortais dos participantes da Inconfidência degredados para a África fossem trazidos de volta ao Brasil.

Inaugurado em 11 de agosto de 1944, o Museu da Inconfidência, que ocupa a antiga Casa de Câmara e Cadeia de Vila Rica, é considerado o segundo museu federal mais visitado do país. O seu acervo remete à história da Inconfidência Mineira. São exibidas peças do século XVIII, obras de Aleijadinho e Athayde, mobiliário, documentos como os Autos da Devassa, que eram os processos de condenação da Inconfidência Mineira, e suposto resto da forca de Tiradentes.

O Museu possui uma plataforma digital do Acervo Museológico, onde o turista poderá ver diversas obras, em uma parceria entre o Projeto Tainacan e o Instituto Brasileiro de Museus/Ibram: https://museudainconfidencia.acervos.museus.gov.br/acervo-museologico/

Museu Casa Padre Toledo - Tiradentes 

O museu está instalado na casa onde viveu o religioso. Inaugurado em 1973, integra a Fundação Rodrigo Mello Franco de Andrade e o Campus Cultural da UFMG em Tiradentes e recebe, anualmente, 30 mil visitantes. Nessa construção do século XVIII foi realizada, em 1788, a primeira reunião dos Inconfidentes. O museu conta com uma coleção de móveis, imagens e pinturas da época, entre as quais se destacam uma tela de São Mateus e um armário-estante pintados por Manoel da Costa Ataíde, importante pintor do período colonial.

Museu do Automóvel da Estrada Real - Tiradentes

Desde 1976, o colecionador Rodrigo Cerqueira Moura adquire e restaura carros antigos na oficina de seu sítio. O museu fica na beira da estrada entre a cidade de Tiradentes e o distrito de Vitoriano Veloso (Bichinho).

Atualmente o espaço conta com 44 automóveis fabricados entre os anos de 1920 a 1970, em três recintos distintos, mas interligados, divididos entre americanos, europeus e nacionais. Os modelos mais antigos são um Buick de 1928 e um Ford de 1931, e possui carros raros como o Renault Fragate 1953, carros clássicos como o Austin Mini e o Citroën 2CV, e nacionais como o Simca Chambord, DKW Vemag e o Renault Dauphine.

Museu do Ouro - Sabará 

O museu está instalado no prédio onde em 1731 funcionou a Casa de Fundição e a Casa de Intendência, a única ainda em pé no Brasil. Com o fim das atividades tributárias, o prédio foi a leilão, no ano de 1840, assim foi transformado em moradia, posteriormente em escola até ser adquirido pela Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira e ser doado ao Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN). Com isso, o prédio é reformado e transformado em museu no ano de 1946.

Do acervo fazem parte objetos do auge da mineração. A riqueza da elite da época aparece representada na mobília e prataria dos séculos 18 e 19. Uma das mais bonitas peças do espaço é uma imagem de Sant'Ana Mestra, de 1770, atribuída a Aleijadinho e ornamentada com folhas de ouro. Além das exposições, funciona no local uma biblioteca especializada na história de Minas Gerais e do Brasil.


Museu do Tropeiro - Ipoema 

O acervo, com mais de 600 peças, revela a importância histórica e cultural do tropeirismo, que durante séculos fez a ligação entre os arraias, as vilas e as cidades, algumas praticamente isoladas. São bruacas, equipamentos de montaria, comércio e representações que remetem a atividade do tropeirismo. O Museu proporciona conhecimentos sobre os bens culturais dos tropeiros, revela a história e a identidade individual e coletiva destes personagens que abriram oportunidades, teceram elos e marcaram época pelos caminhos de Minas e do Brasil.

O Museu do Tropeiro ainda conta com o evento “Roda de Viola” que uma vez ao mês, nas noites de lua cheia, apresenta a cultura popular da região e músicas que contemplam a viola caipira.

Museu Sacro Histórico de Tiradentes - Paraíba do Sul 

A criação do museu está intimamente ligada à história do povoado de Sebollas e a Tiradentes, pois um dos seus braços teria ficado no distrito de Sebollas e sido enterrado sob o piso da igreja N. Sra. de Sant’ Anna de Sebollas no túmulo de D. Mariana , tida como amante do líder da Conjuração Mineira. Inaugurado em 1972, o acervo museográfico está distribuído por cinco salas e é composto de: imagens sacras (século XVIII), alfaias, farda militar (século XIX), documentos e os restos mortais atribuídos a Tiradentes.

Museu Imperial - Petrópolis 

O prédio, construído a partir de 1845, foi o Palácio Imperial, residência de D. Pedro II durante as temporadas de verão. No acervo destacam-se: a coroa com 639 brilhantes e 77 pérolas feita para a coroação de D. Pedro II; um dos primeiros aparelhos telefônicos do País; cofre de porcelana e bronze dourado da manufatura francesa de Sèvres, presente do Rei Luis Felipe, da França; colar e brincos de ouro, esmeraldas e rubis da Imperatriz D. Leopoldina, esposa de D. Pedro I.

Durante a visita ao Palácio, é preciso calçar as famosas pantufas, contribuindo assim para a preservação dos pisos originais de mármore de Carrara, mármore belga e madeiras nobres.

Os jardins do Museu foram planejados e executados pelo paisagista Jean-Baptiste Binot, com a orientação de D. Pedro II. Possuem mais de 100 espécies de árvores e flores de mais de 15 países do mundo. É possível visitá-lo de forma independente porque a entrada para os jardins é gratuita.

Quem viaja pela Estrada Real descobre vários destinos e conhece lugares especiais e muita Cultura. No nosso próximo encontro vamos conhecer as 7 Maravilhas da Estrada Real! Estrada Real: Uma estrada, seu destino! 


* Esta coluna tem caráter opinativo e não reflete o posicionamento do grupo.
Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais