América

  1. Esporte
  2. América
  3. Marquinhos Santos sobre o América: "Não tive dúvida alguma em aceitar o convite"
Imagem: João Zebral/América

Marquinhos Santos sobre o América: "Não tive dúvida alguma em aceitar o convite"

Nesta segunda-feira (25), Marquinhos Santos foi o convidado do Arena 98, e comentou sobre diversos assuntos, passando pela convite e chegada ao América e o trabalho que se inicia no clube


Por Vinícius Silveira

Desde 2019, o América tem realizado trabalhos consistentes com treinadores, que resultaram em boas campanhas no clube. Na semana passada, o Coelho começou mais um capítulo com um novo técnico. Marquinhos Santos chegou ao time americano, e logo na estreia, conquistou uma vitória importante sobre o Santos, por 2 a 0, em plena Vila Belmiro.

Nesta segunda-feira (25), Marquinhos Santos foi o convidado do Arena 98, e comentou sobre diversos assuntos, a começar pelo início do trabalho no América.

Chego com um modelo de jogo semelhante ao que era implantado pelo (Vagner) Mancini. O futebol que eu acredito, com bloco alto, e principalmente, o vestiário. Os jogadores sabem como deve ser o comportamento do América, que criou essa cultura, modelo de jogo, então não tem muito o que ser alterado”.

Creio que, pontualmente, algumas coisas posso melhorar. Até porque, há pouco tempo, era adversário do América, e analisei muito para enfrentá-lo tanto no primeiro turno como no segundo. Então, é dar sequencia ao que vem sendo bem feito e bem executado, não só a parte tática, em especial, na parte física, também é um time que me chamou a atenção desde que o analisei para o enfrentamento como adversário, e agora estando no comando, vejo que é um trabalho magnífico”.

Sobre utilização de Rodolfo contra o Santos

O Rodolfo nós conhecemos desde Luverdense, Boa Esporte, e ele tem um histórico vencedor aqui no América, e nós sabemos da qualidade dele. E eu entendi que para o jogo contra o Santos, que precisávamos de um centroavante com mobilidade, que abrisse espaços na movimentação, e nós chamamos no trabalho de ‘facão’, atacando os espaços com o Ademir nessa característica, e ao próprio Juninho, e o grupo entendeu bem. Inclusive, a jogada que deu o pênalti, foi deixado três jogadores a frente como base ofensiva, e nós treinamos isso no dia anterior”.

Durante o jogo, o Rodolfo é um jogador inteligente taticamente falando, e tecnicamente ele tem muita qualidade. Ele passou um período com dificuldades em finalizações na questão dos pênaltis perdidos, mas eu disse a ele: ‘só perde pênalti decisivo quem tem personalidade e atitude’, e ele sempre mostrou isso no América. Então, era a hora de resgatar este atleta, como outros que pude observar neste pouco tempo, mas que vai ser muito útil e importante nessa reta final de competição”.

Ligação de Salum e ‘sim’ ao convite para treinar o América

É um elenco que eu volto a dizer: é um elenco que se entrega muito e que volto a dizer e sabe aonde quer chegar. É isso foi determinante para que eu pudesse aceitar o convite do (Marcus) Salum, que tentou me contratar em 2014, e naquela oportunidade não foi possível, mas que agora, com o encerramento de contrato com o Juventude, assim que ele me ligou, não tive dúvida alguma ao dizer ‘sim’ e aceitar o convite do América”.

Confira a entrevista na íntegra!


Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais