Carregando...

Cruzeiro

Imagem: Pietro Carpi/ECV

Com apagão no primeiro tempo, Cruzeiro perde para o Vitória em Salvador

Com o resultado, o rubro negro baiano deixou a zona de rebaixamento. O Cruzeiro se manteve em décimo primeiro.

Por Guilherme Souza

Vitória e Cruzeiro se enfrentaram na noite deste domingo, no Estádio Barradão, em Salvador. Em partida válida pela 36ª rodada da Série B, o Leão venceu a Raposa por 3x0. Thiago, contra, e David, duas vezes, anotaram os gols.

Com o resultado, o Vitória deixou a zona de rebaixamento pulando para a décima sexta colocação, com 40 pontos. O Cruzeiro, por sua vez, se manteve décimo primeiro, com 46 pontos.

Na próxima rodada, o time celeste visita o Sampaio Corrêa, no Estádio Castelão, em São Luís, às 21h30, na próxima sexta-feira. O Vitória joga no dia 22 (segunda-feira), às 18h, contra o CRB, no Estádio Rei Pelé, em Maceió.

INÍCIO DESASTROSO CUSTA CARO

Os primeiros dez minutos do Cruzeiro foram um verdadeiro filme de terror. Logo os três, após cobrança de falta de Marcinho pelo lado esquerdo da intermediária ofensiva, Thiago acabou desviando para o próprio gol e tirando qualquer chance de defesa para o goleiro Fábio. Quando o time celeste tentava entrar no jogo, veio o segundo golpe. Aos sete, após lançamento de Wallace, Roberto apareceu na linha de fundo e cruzou para David, sozinho, completar para o fundo das redes.

O Vitória aproveitava o momento de nervosismo da equipe comandada por Vanderlei Luxemburgo. O lado direito do time celeste era uma verdadeira avenida, o que se tornava um prato cheio para David.

Com pouca inspiração no setor de criação, o Cruzeiro apostava em chutes de fora da área. Aos vinte e quatro, Giovanni arriscou, mas não levou perigo. A resposta baiana veio pouco tempo depois, quando Marcinho passou de Norberto e Rômulo, e cruzou na cabeça de David, que testou firme para uma grande defesa de Fábio.

No entanto, aos trinta e quatro, não deu para o goleiro celeste. Após ganhar no corpo de Rhodolfo e tabelar com Alisson Santos, David saiu cara a cara com Fábio e tocou no canto esquerdo do goleiro, ampliando o marcador.

Nos últimos minutos da primeira etapa, o Cruzeiro ainda tentou diminuir o placar. Por duas vezes, Lucas Arcanjo salvou o Vitória. Aos quarenta e quatro, Felipe Augusto finalizou com força, para a defesa em dois tempos. No minuto seguinte, Wellington Nem girou e bateu, a bola quicou e o goleiro não deu rebote.

LUXEMBURGO MUDA QUASE O TIME INTEIRO

Depois da atuação vexatória no primeiro tempo, o técnico Vanderlei Luxemburgo promoveu quatro alterações antes do início do segundo tempo. Saíram Norberto, Felipe Augusto, Vitor Leque e Wellington Nem. Para as vagas, foram para o jogo: Jean Victor, Marco Antônio, Marcinho e Vitor Roque. Além disso, Rômulo voltou para a lateral-direita.

Entretanto, as mudanças não surtiram o efeito desejado nos primeiros minutos, e Vanderlei fez mais uma mudança. Claudinho foi para o jogo no lugar de Giovanni. O treinador tentava dar um choque no setor de criação para ensaiar uma reação.

O time celeste melhorou ligeiramente com as mudanças. Aos dezenove, Claudinho arriscou de longe, a bola quicou e Arcanjo segurou firme.

Aos vinte e um, Marcinho cobrou falta por cima do gol. A principal oportunidade veio três minutos depois, quando Marcinho finalizou cruzado, Arcanjo deu rebote, a Vitor Roque apareceu de carrinho para finalizar, mas o goleiro apareceu para salvar novamente. Foi a principal chance do time mineiro no jogo.   

FIM DO TABU

O Vitória não vencia o Cruzeiro no Estádio Barradão desde 2006. No retrospecto geral, o time baiano não vencia desde 2010, quando derrotou a Raposa por 1x0, em Ipatinga, pela Série A.

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais