Cruzeiro

  1. Esporte
  2. Cruzeiro
  3. Sem acordo com a diretoria celeste, goleiro Fábio anuncia saída do Cruzeiro
Imagem: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Sem acordo com a diretoria celeste, goleiro Fábio anuncia saída do Cruzeiro

A saída de Fábio deve-se ao não acordo do goleiro com a atual gestão do Cruzeiro, após reunião do camisa 1 com a equipe da SAF de Ronaldo Fenômeno.


Por Vinícius Silveira

Na noite desta quarta-feira (5), o goleiro Fábio surpreendeu aos torcedores celestes e anunciou a saída do Cruzeiro após 17 anos no clube. O anúncio foi feito por meio da conta oficial do camisa 1 no Instagram.

A saída de Fábio deve-se ao não acordo do goleiro com a atual gestão do Cruzeiro, após reunião do camisa 1 com a equipe da SAF de Ronaldo Fenômeno. A reunião aconteceu na última terça-feira (4), onde as partes não ocorreu entendimento das partes na readequação do contrato e também na quitação de dívidas acumuladas.

Fábio havia renovado contrato com o Cruzeiro no dia 12 de novembro do ano passado e a duração do vínculo seria de um ano. Na época, o clube ainda era presidido por Sérgio Santos Rodrigues. A equipe de Ronaldo Fenômeno entendeu que os valores na renovação estariam acima do teto proposto pela nova gestão, que pretende reduzir a folha salarial do clube.

Na extensa carta publicada, o goleiro relatou que aceitaria a redução salarial, mas que esta opção não lhe foi dada. O camisa 1 acrescentou que foi procurado no dia 28 de dezembro para que se apresentasse no dia 4 de janeiro para se reunir com a diretoria celeste. Na reunião, o diretor de futebol Pedro Martins e Gabriel Lima comunicaram que não contariam com Fábio para 2022, e não lhe deram a chance de continuar no clube.

Fábio disse que pediu que o contrato fosse encerrado em 2022, mas a diretoria celeste reforçou que não contaria com o goleiro para a disputa do Campeonato Brasileiro ou até mesmo o Estadual, mesmo aceitando receber os salários dentro de teto proposto.

O Cruzeiro se pronuncia nas redes sociais

"Chegou a hora de dizer adeus.

O ídolo que por tantos anos, tantos jogos e com tanta vida nos representou embaixo das traves, como se fosse cada um de nós da Nação Celeste, não estará mais ali, em campo.

Fábio tem sua trajetória indissociável da nossa história. Um capitão que honrou a camisa celeste, o que fez nossa torcida, com toda justiça, o idolatrar. Falar de Cruzeiro tem sido falar de… Fábio.

São títulos e números que falam por si só: 17 anos consecutivos no clube, o jogador que mais vestiu nosso manto (976 jogos), 13 títulos, entre eles o tricampeonato da Copa do Brasil (2000, 2017 e 2018), o bicampeonato brasileiro (2013 e 2014) e sete vezes campeão mineiro (2006, 2008, 2009, 2011, 2014, 2018 e 2019). Foram ainda 34 pênaltis defendidos e dois troféus como melhor goleiro do Campeonato Brasileiro. Uma história vitoriosa.

Fábio foi sinônimo de dia de jogo, de disciplina, trabalho e entrega para e pelo nosso clube. Um profissional exemplar, líder nato, respeitado dentro e fora de campo. Nossa gratidão será, como seu registro na história do Cruzeiro, eterna. E a Toca será, para sempre, a casa do Fábio. Assim como o coração de todos nós.

Vamos planejar uma série de homenagens ao ídolo nos próximos dias. Porque Ele merece e todo cruzeirense também".

História de Fábio no Cruzeiro: títulos e idolatria da torcida

Fábio chegou ao Cruzeiro em 2000, quando tinha 19 anos. Na ocasião, foi reserva do então titular André. O goleiro foi campeão da Copa do Brasil naquele ano, e ao final daquela temporada, deixou o clube para defender o Vasco da Gama.

Em 2005, Fábio retornou para resolver o problema da meta celeste que ainda não tinha encontrado um substituto para Gomes. O goleiro não apenas virou titular absoluto, como tornou-se o maior ídolo recente do Cruzeiro, conquistando títulos, protagonizando jogos e realizando defesas importantes.

Além da Copa do Brasil de 2000, Fábio também ganhou a competição em 2017 e 2018. Foi bicampeão brasileiro, em 2013 e 2014. Conquistou os Campeonatos Mineiros de 2006, 2008, 2009, 2011, 2014, 2018 e 2019. Ao todo, foram 976 jogos pelo clube, e atingiria a marca de 1000 jogos caso continuasse no Cruzeiro.

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais