Carregando...

Esporte

Imagem: Reprodução

“Comecei a achar que eu estava mais atrapalhando que ajudando”, revela Lisca após deixar o América

Em entrevista ao Arena 98 desta segunda-feira, o treinador falou sobre sua saída do Coelho.

Por Guilherme Souza

A tarde de segunda-feira foi agitada no América. O clube confirmou o pedido de demissão do técnico Lisca. O treinador comandou o América durante um ano e quatro meses. Os grandes destaques da passagem pelo clube foram o acesso à Série A e a campanha até a semifinal da Copa do Brasil de 2020.

Lisca foi o convidado do Arena 98 e esclareceu os detalhes do adeus ao alviverde. Emocionado, o técnico falou da sua relação com o América.

“Hoje eu chorei demais, porque você sai de um clube que você é querido, que você tem uma relação ótima. Todos os jogadores, praticamente, me ligaram. Tem gente me ligando até agora. Eu não quis ir no CT hoje. Eu ia chorar pra caramba. Eu não iria conseguir dar as costas e sair.”   

Sobre os motivos da sua saída, Lisca fez uma reflexão:

“Às vezes, o desgaste do treinador com ele mesmo. Um desgaste mental, uma cobrança, algumas circunstancias que aconteceram corriqueiramente no nosso trabalho, e você começa a ficar sem muita força mental para mexer com os jogadores. Começa a pesar, a não transmitir aquela energia necessária, não tirar o melhor de cada jogador. Comecei a achar que eu estava mais atrapalhando do que ajudando. O América precisa trabalhar no limite, precisa trabalhar com a corda super esticada, e eu não estava mais conseguindo fazer isso.”   

Lisca também esclareceu se as ameaças sofridas após o clássico polêmico com o Cruzeiro, na semifinal do Campeonato Mineiro, pesaram para a saída do América.

“Não. Ficamos chateados, mas são coisas de rede social. Não teve nenhuma consequência, ninguém nos atrapalhou, ninguém chegou perto da gente. Isso não pesou em nada!”


Confira a entrevista na íntegra




Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais