98 Live - Logo
  1. News
  2. Cidades
  3. ‘A culpa não é nossa’, dizem donos de bares e restaurantes sobre alta de covid-19 em BH

‘A culpa não é nossa’, dizem donos de bares e restaurantes sobre alta de covid-19 em BH

Comerciantes fizeram um protesto contra a decisão da prefeitura de permitir apenas serviços essenciais na próxima segunda-feira

Por Da redação - Cidades08/01/2021
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) vem enfrentando pressão de diversos setores do comércio por permitir a abertura de apenas os serviços essenciais na próxima semana na capital. Empresários gravaram um vídeo dizendo que a culpa da alta da Covid-19 não é dos bares e restaurantes.  Também cobraram a reabertura de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). 

As imagens foram divulgadas pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). O presidente da entidade,  Matheus Daniel, faz críticas ao planejamento feito pela prefeitura durante a pandemia e é acompanhado por donos de estabelecimentos. 

“Prefeito, o senhor teve nove meses para preparar a cidade.  Prometeu 729 leitos e chegou a 424. E, hoje, são menos de 250. O senhor não devia ter acreditado que a doença tinha acabado.  E agora quer cobrar a conta de quem não é culpado.  Os bares e restaurantes não vendem bebidas alcoólicas desde 7 de dezembro.  Os índices melhoraram? Não.  Isso porque a culpa não é nossa”, disse Matheus,  acompanhamento por dezenas de empresários. 

A decisão da prefeitura de fechar o comércio na cidade vem provocando protestos.  Nesta sexta-feira, donos e funcionários de academias de Belo Horizonte fizeram um protesto. Os manifestantes querem que as academias sejam incluídas no rol dos serviços essenciais da cidade.  

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) enviou ofício para a prefeitura reivindicando a permanência das lojas abertas. A entidade também solicita a reabertura de leitos. 

Decisão da Prefeitura

O passo atrás na flexibilização acontece com o aumento do número de casos de Covid-19. A principal preocupação da administração municipal é em relação a ocupação de leitos de UTI próprios para o tratamento da doença. Boletim epidemiológico divulgado nessa quinta-feira mostra que a taxa está em 85,1%. 

Atualmente, são 247 leitos de UTI Covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS) e outros 298 na rede suplementar.  Em agosto, em meio a pandemia, a cidade chegou a ter 424 leitos deste tipo  na rede pública e 317 na rede privada. 

A prefeitura ressalta que está com dificuldade para fazer a contratação de profissionais de saúde para atuar nesses leitos.  Também informou que dificilmente chegaremos ao mesmo número de agosto. Os outros indicadores usados para a flexibilização estão em fase de alerta.  A taxa de ocupação de enfermaria está em 62,5% e a taxa de transmissão está em 1,05.