98 Live - Logo
  1. News
  2. Cidades
  3. Cidades de MG alertam para a falta de oxigênio e hospital pede doação de cilindros

Cidades de MG alertam para a falta de oxigênio e hospital pede doação de cilindros

Associação que representa municípios da Região Norte de Minas afirma que hospitais vivem escassez de oxigênio

Por João Henrique do Vale - Cidades17/03/2021
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O aumento de casos de Covid-19 em Minas Gerais também está elevando o consumo de oxigênio nos hospitais. A Associação Mineira da Área Mineira da Sudene (AMAMS), que representa cidades da Região Norte, afirma que algumas cidades já estão com escassez do produto. Em Santa Bárbara, hospital pede doações de cilindros a moradores. 

O problema da falta de oxigênio já foi citado em Bocaiuva, Brasília de Minas, Coração de Jesus, Espinosa, Jaíba, Janaúba, Januária, Montes Claros, Pirapora, Salinas, Taiobeiras e Varzelândia, e Manga. 

O presidente da AMAMS, José Nilson Bispo de Sá, o Nilsinho, protocolou um pedido ao Governo de Minas para solicitar ajuda financeira para a aquisição de mais cilindros. “Estamos diante de uma situação muito grave; é inadmissível pessoas perderem suas vidas pela falta deste produto tão essencial neste momento de pandemia. Todos os prefeitos empregam grande esforço em busca de soluções e medidas que possam evitar o aumento de casos de covid-19 e mortes no Norte de Minas, mas agora clamamos ajuda para que o caos pela falta de oxigênio seja evitado”, afirmou. 

Problema semelhante também acontece em Santa Bárbara, na Região Central de Minas. A Santa Casa Nossa Senhora das Mêrces usou as redes sociais para pedir aos moradores para fazer a doação de cilindros à unidade de saúde. 

Ajuda do Governo Federal 

Nessa terça-feira, o secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, afirmou que já pediu apoio ao Ministério da Saúde para que não haja falta do insumo em Minas. Além disso, comentou que as empresas fornecedoras de oxigênio ao estado estão fazendo uma reestruturação logística para atender a alta demanda.

“O oxigênio é insumo essencial complexo em relação à logística. A maioria dos hospitais grandes com leitos de CTI utilizam grandes reservatórios de oxigênio. Mas para os leitos que estão sendo criados não dá tempo dessa estrutura, e são leitos com cilindro de oxigênio. A logística desse insumo é complexa, tem que se trocar várias vezes por leito e o paciente Covid exige muito oxigênio. Temos pedido apoio ao Ministério da Saúde em relação a isso já prevendo esse aumento de consumo para que não haja nenhum tipo de falta de suprimento”, disse.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.