98 Live - Logo
  1. News
  2. Cidades
  3. Governo diz já ter protocolo para necessidade de lockdown em alguma região de MG

Governo diz já ter protocolo para necessidade de lockdown em alguma região de MG

Segundo a secretaria de Saúde, com a proximidade do pico da pandemia, aumenta a possibilidade de alguma região adotar o lockdown

Por Fernando Motta - Cidades22/06/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O Governo de Minas disse já ter pronto um protocolo para a necessidade de decretar "lockdown" em alguma região do Estado no enfrentamento à Covid-19. De acordo com o secretário-adjunto de Saúde, Marcelo Cabral, com a proximidade do pico da pandemia, aumenta a possibilidade de adotar a medida.

"A gente já vinha trabalhando naquilo que eventualmente seria necessário para o enfrentamento da pandemia. Cada vez mais, nos aproximando do pico, por estimativa a gente também imagina que seja a proximidade de, num agravamento desses números, que a gente parta para um lockdown. Então a gente precisa ter isso em mente para que não sejamos surpreendidos por uma situação um pouco mais grave", disse.

Segundo o secretário de Saúde Carlos Eduardo Amaral, o "lockdown" não será adotado em todo o Estado. "Se for necessário, nós vamos adotá-lo em alguma região específica conforme naquela região nós tivermos um aumento de casos, uma tendência à explosão, uma tendência ao descontrole", explicou.

Hospital de Campanha

Questionado sobre a abertura do hospital de Campanha no Expominas, Amaral voltou a dizer que o foco do governo tem sido ampliar leitos nos hospitais tradicionais, sob a perspectiva de que esse leitos ficarão como "legado para a sociedade", enquanto o hospital de campanha será fechado após o fim da pandemia.

Segundo ele, o hospital do Expominas está "pensado para a fase 5". "Ele não tem tido o direcionamento inicialmente para ser um hospital de alta complexidade e nós vamos preferir que nós venhamos a abrir leitos em hospitais que já existem, que já têm toda estrutura, que é muito mais simples nós conseguirmos abrir leitos nesse hospital, como temos feito na Fhemig. A cada momento da epidemia nós abrimos módulos de 10 leitos", disse.