98 Live - Logo
  1. News
  2. Cidades
  3. Kalil faz desabafo e pede desculpas a empresários em Live

Kalil faz desabafo e pede desculpas a empresários em Live

A transmissão foi feita nessa segunda-feira nas redes sociais

Por Da redação - Cidades14/07/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

Depois de duas semanas sem conceder entrevista coletiva, o prefeito Alexandre Kalil fez uma transmissão nas redes sociais, nessa segunda-feira, para falar sobre a pandemia do novo coronavírus. Na transmissão, que durou pouco mais de oito minutos, o administrador municipal falou que vem copiando o que foi feito no mundo para combater a Covid-19, que a cidade se aproxima da diminuição no número de casos, pediu desculpas para as pessoas atingidas pela enfermidade e, também, marcou um encontro com os empresários nesta semana para falar sobre a flexibilização.

Veja as principais falas do prefeito

Cópia do que foi feito no mundo

"Quando você vê que São Paulo teve mais de 8 mil mortes, que o Rio teve mais de 7 mil mortes, que Vitória tem 360 mil habitantes, praticamente o Barreiro, teve 296 mortes. Belo Horizonte alcançamos o triste número de 270 mortes. Isso é o motivo. Copiamos o que o mundo inteiro vem fazendo. Copiamos o que deu certo, e o que vem acontecendo hoje, é só assistir na televisão, a Flórida, nos EUA, ultrapassou Nova York, porque não aguentaram a pressão e mataram gente, por pressão"

Desculpas a empresários

“Ordenei uma reunião com os comerciantes na quarta-feira. Os protocolos estão ficando prontos. Isso (fechamento do comércio) não é infinito”

“Me perdoem, principalmente os comerciantes e os desempregados, que estão sofrendo. Mas, gente, nós vamos arrumar tudo de novo. A pandemia veio. Nós tivemos duas grandes guerras mundiais, nós tivemos a gripe espanhola. E o mundo está aí, voltou ao normal. Mas quando você perde um filho, quando você perde um irmão, um pai, uma mãe, por pressão, incompetência ou desleixo, é uma coisa que não é possível que todos não fiquem indignados”

Doença se aproxima

“Tem uma coisa que não vou levar para a minha vida, para as minhas costas, que é morte. E a morte está cada vez mais perto. O doente agora é seu vizinho, seu amigo, é o conhecido do seu conhecido. E ela está chegando muito próxima da gente”.

“Me perdoem, principalmente os comerciantes e os desempregados, que estão sofrendo. Mas, gente, nós vamos arrumar tudo de novo. A pandemia veio. Nós tivemos duas grandes guerras mundiais, nós tivemos a gripe espanhola. E o mundo está aí, voltou ao normal. Mas quando você perde um filho, quando você perde um irmão, um pai, uma mãe, por pressão, incompetência ou desleixo, é uma coisa que não é possível que todos não fiquem indignados”.

Mais leitos de UTI

"Hoje nós já alocamos mais 20 leitos de UTI. O primeiro número era de 80, e hoje são 390 exclusivos para Covid-19. Feito com planejamento, com médico, com hospitais que estão equipados, que tem gente. E eu volto a dizer: Quem salva gente é gente".