98 Live - Logo
  1. News
  2. Cidades
  3. Minas tem novo secretário de saúde após denúncias de fura-filas na vacinação

Minas tem novo secretário de saúde após denúncias de fura-filas na vacinação

A mudança foi comunicada pelo governador Romeu Zema nas redes sociais

Por João Henrique do Vale - Cidades12/03/2021
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O médico Fábio Baccheretti é o novo secretário de saúde de Minas Gerais.  Ele assume o cargo que era ocupado pelo também médico Carlos Eduardo Amaral, afastado nessa quinta-feira pelo Governador Romeu Zema (Novo) depois de denúncias de fura-filas dentro da pasta. 

Baccheretti estava à frente da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), responsável pela gestão das unidades hospitalares do Estado. Zema elogiou o trabalho do médico e ressaltou os serviços prestados por ele durante a pandemia. 

“Seu trabalho no combate à pandemia, desde o início, colaborou para os resultados relevantes em expansão de leitos e referência clínica no combate à COVID-19, garantindo a Minas um dos melhores resultados dentre todos os estados do país. Seguiremos determinados no combate à pandemia e dando sequência à maior operação de vacinação da história de Minas com transparência e responsabilidade”, disse o governador nas redes sociais.

Investigação 

A exoneração de Carlos Eduardo Amaral aconteceu em meio a investigações de "fura-filas" da vacina contra Covid-19, dentro da Secretaria de Estado de Saúde. Denúncias apontam que servidores fora da linha de frente do combate à Covid teriam sido beneficiados pela imunização fora do calendário prioritário.

O caso está sendo investigado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).  A Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) abriu uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as possíveis irregularidades. 

Em entrevista concedida nessa quinta-feira,  horas antes de ser afastado do caso, negou, que houve qualquer irregularidade. O secretário de Saúde justificou as ações da pasta dizendo que o Plano Nacional de Imunização (PNI) só estratifica os profissionais a serem vacinados até determinado grupo, permitindo que o restante do planejamento seja feito em conjunto por estados e municípios.

O secretário voltou a dizer que a pasta é serviço essencial, portanto, segue os padrões estabelecidos pelo Ministério da Saúde. Entre os 806 vacinados, estão todos os subsecretários da Saúde, assessores de imprensa, funcionários das Farmácias de Minas, servidores que analisam logística dos leitos e que cuidam da gestão financeira. 

Uma lista com os nomes das pessoas imunizadas foi entregue na noite dessa quinta-feira à ALMG.