98 Live - Logo
  1. News
  2. Cidades
  3. Motoristas de van escolar protestam em Belo Horizonte

Motoristas de van escolar protestam em Belo Horizonte

Os condutores cobram o pagamento de um auxílio sancionado pelo Governo de Minas

Por João Henrique do Vale - Cidades11/08/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

Motoristas de vans escolares fazem um protesto na manhã desta terça-feira em Belo Horizonte. Os condutores cobram o pagamento de um auxílio sancionado pelo Governo de Minas Gerais. A categoria também sugere que os veículos sejam utilizados no transporte coletivo na capital mineira

Os motoristas das vans escolares se reuniram no entorno do estádio Mineirão. De lá, seguiram em carreata em direção a Cidade Administrativa. "Queremos o pagamento do auxílio que foi aprovado pela Assembleia Legislativa e sancionado pelo Governador. Não recebemos ainda. A situação da categoria é crítica. São cinco meses sem receber nada. Bancos já estão ameaçando busca e apreensão dos veículos", afirma Carlos Eduardo Campos, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Escolares da Região Metropolitana de Belo Horizonte (Sintesc)

A Lei 23.678 determina que prestadores de serviço no transporte escolar de alunos de instituições de ensino, públicas ou privadas, sejam incluídos entre os profissionais a serem contemplados com a concessão de renda mínima emergencial e temporária. Esse benefício está previsto na Lei 23.631, de 2020, que dispõe sobre a adoção de medidas para o enfrentamento do estado de calamidade pública decorrente da pandemia de Covid-19 em Minas Gerais. 

O presidente do Sintesc sugere que os veículos possam ser usados no transporte coletivo de Belo Horizonte. "Se o governo não tem recurso, que autorize a frota fazer o transporte coletivo", disse. 

A Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) afirmou que representantes dos trabalhadores do transporte escolar foram recebidos, nesta terça-feira, pelo governo estadual. "Em relação às reivindicações, foi informada a necessidade de avaliação do impacto financeiro por parte da administração estadual".