98 Live - Logo
  1. News
  2. Esporte
  3. Conselho Deliberativo do Cruzeiro cancela eleições para Conselheiros Natos

Conselho Deliberativo do Cruzeiro cancela eleições para Conselheiros Natos

O cancelamento aconteceu na noite desta segunda-feira (26). O pleito ocorreria no dia 5 de novembro e a convocação foi bastante contestada por torcedores e pela diretoria do Cruzeiro.

Por Vinícius Silveira - Esporte26/10/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

Foto: Igor Sales/Cruzeiro

Na noite desta segunda-feira (26), o Cruzeiro informou o cancelamento da convocação para eleição de Conselheiros Natos no clube celeste. O pleito estava marcado para o dia 5 de novembro, de acordo com o edital publicado no dia 13 deste mês. Mais cedo, a informação foi antecipada pelo repórter Adroaldo Leal.

De acordo com o comunicado da mesa diretora do Conselho Deliberativo, a decisão tomada é justificada pelo momento instável do Cruzeiro dentro e fora de campo. A reunião iria eleger 70 Conselheiros Natos, de forma vitalícia.

"Ante a instabilidade financeira, política e institucional do nosso Cruzeiro Esporte Clube, morme para evitar decisões judiciais contrárias aos atos dessa administração do Conselho Deliberativo, apesar de nosso compromisso com o cumprimento estatutário, decide-se pela revogação do Edital em questão, ficando a eleição de que trata o referido edital sobrestada até ulterior determinação", diz o documento fornecido pela Mesa Diretora do Conselho Deliberativo do Cruzeiro.

Na quinta-feira (22), a presidência do Cruzeiro, por meio de nota pela assessoria do clube, não deu respaldo a Paulo Pedrosa para realizar as eleições, alegando que o momento da agremiação existem outras prioridades.

"O momento pede reflexão, resiliência e unidade em prol do Cruzeiro. Sendo assim, é nosso dever focar e trabalhar em cima de situações prioritárias e emergenciais. E, na nossa opinião, realizar uma eleição para Natos não é algo prioritário e plausível para agora", diz o trecho da nota.

No atual estatuto do Cruzeiro, precisamente no artigo 17, a eleição é realizada secretamente. A bancada é composta por conselheiros beneméritos e natos e só poderá concorrer o conselheiro efetivo que tenha cumprido, de forma ininterrupta, três mandatos consecutivos ou cinco alternados.