Carregando...

Esporte

Cruzeiro bloqueia na Justiça R$ 6,8 milhões em contas de Wagner Pires e Itair

A decisão parcial na Justiça aconteceu na tarde de hoje; Wagner Pires de Sá e Itair Machado podem recorrer.

Por Vinícius Silveira

Nesta quinta-feira (13), o Cruzeiro conseguiu uma grande vitória na Justiça. O clube conseguiu liminar que bloqueia os bens de Wagner Pires de Sá e Itair Machado em torno da dívida de R$ 6.861.243,06 que ambos possuem com a agremiação. A decisão partiu do desembargador Marco Aurélio Ferenzini, da 14ª Vara Cível de Belo Horizonte. Wagner e Itair podem recorrer.

De acordo com os autos, a decisão explica que o cargo que Itair exercia, pelo estatuto do clube, não previa remuneração.

Alega que, a despeito dessa realidade jurídica incontestável, há, ainda, a realidade fática notória de que o ocupante do cargo de Vice-Presidente de Futebol exerce a condução, a direção direta de todas as decisões acerca do objeto máximo da agremiação esportiva que é o futebol, pelo que, de fato, exerce a função de direção do clube, para a qual não pode haver remuneração”.

Registra ter sido igualmente demonstrado que, para além da Lei Estadual obstativa, os Estatutos da agremiação esportiva também não preveem remuneração a ser paga a quem nomeado para assumir as funções do cargo de Vice-Presidente de Futebol, que, por determinação do agravado Wagner Antônio Pires de Sá (Presidente da entidade), foi ocupado pela pessoa física do Agravado Itair Machado de Souza”.

A ação corresponde aos valores que o ex-presidente do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá, no exercício da gestão no clube, repassou a Futgestão Assessoria Esportiva, empresa pertencente à Itair Machado por meio de contrato de trabalho assinado no dia 2 de janeiro de 2018, data da oficialização de posse de Wagner como mandatário eleito pelo clube.

Em 2018, aconteceu a primeira mudança no contrato e passou a pagar o valor líquido de R$ 180 mil, sendo que no mês de dezembro de cada ano durante a gestão de Wagner Pires de Sá, o valor a ser pago seria de R$ 360 mil. No mesmo vínculo, previa, também, o recebimento de premiações iguais aos atletas em casos de conquista de campeonatos. No mês de julho de 2018, a IMM Assessoria e Consultoria Esportiva mudou de nome para Futgestão Assessoria e Consultoria Esportiva.

Ainda no mesmo ano, segundo consta nos autos, um novo termo aditivo acrescentou nova cláusula no contrato registrando o direito de receber, em caráter de premiação, valores a partir de R$ 200 mil em caso de conquista do Campeonato Mineiro até R$ 1 milhão em caso de título do Mundial de Clubes. No total, os valores chegam a R$ 4.928.947,62 pagos a Futgestão Assessoria e Consultoria Esportiva por serviços prestados e R$ 1.932.295,44 por premiações.

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais