98 Live - Logo
  1. News
  2. Mundo
  3. Judicialização: campanha de Trump promete iniciar batalha legal na segunda-feira

Judicialização: campanha de Trump promete iniciar batalha legal na segunda-feira

Para campanha do Republicano, disputa eleitoral "está longe do fim"

Por Lucas Rage - Mundo07/11/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

A campanha do presidente Donald Trump não reconhece a vitória do democrata Joe Biden, projetada por redes de televisão americana, incluindo a CNN e a Fox News, disseram advogados do republicano em pronunciamento à imprensa há pouco.

Os advogados acusaram a eleição e a apuração de terem uma série de fraudes e prometem iniciar uma batalha legal contra os resultados já a partir da próxima segunda-feira (09).

"A partir de segunda-feira, nossa campanha começará a processar nosso caso na Corte para garantir que as leis eleitorais sejam totalmente mantidas e o vencedor legítimo esteja sentado", afirma comunicado distribuído pela campanha de Trump. Na entrevista coletiva, os advogados levaram até um fiscal de apuração do partido para alegar que houve fraudes.

O comunicado fala que a disputa eleitoral "está longe do fim".

Entenda o caso

A apuração dos votos da corrida presidencial vem ocorrendo em meio a denúncias de fraude eleitoral, por parte do Partido Republicano. A campanha de Trump entrou com ações judiciais em pelo menos cinco estados norte-americanos para questionar o processo de contagem de votos. O republicano tem alegado fraude nas cédulas entregues pelo correio, com objetivo de favorecer o candidato do Partido Democrata, Joe Biden.

"Pare a contagem", escreveu Trump, no Twitter, na última quinta-feira (05).

Advogados do presidente concentraram a maior parte da atenção à Pensilvânia, onde a Justiça aceitou pedido um pedido da legenda governista para garantir que seus observadores acompanhem a tabulação dos votos. Pedidos foram feitos ainda nos estados de Michigan, Wisconsin, Nevada e Geórgia.

O atual presidente norte-americano chegou a ir à frente das câmeras para acusar um complô com o objetivo de derrubá-lo. O discurso foi interrompido por grandes emissoras de TV como a ABC e a NBC, e duramente criticado por figuras públicas e veículos de imprensa.

(Com informações de Estadão Conteúdo)