Carregando...

Nacional

China libera insumos para mais 8,7 milhões de doses da Coronavac, diz Doria

Além disso, uma nova remessa de 5,4 mil litros de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) da farmacêutica Sinovac deve chegar na quarta-feira em Campinas

Por Estadão Conteúdo

A China liberou a exportação de 5,6 mil litros de insumos para a Coronavac, vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica Sinovac em parceira com o Instituto Butantan, de acordo com anúncio do governador de São Paulo, João Doria (PSDB) nesta segunda-feira, 1º. O volume é suficiente para a aplicação de 8,7 milhões de doses do imunizante.

A vacina tem chegada prevista para 10 de fevereiro. De acordo com Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, as doses começarão a ser distribuídas a partir de 25 de fevereiro até a primeira quinzena de março. A expectativa é liberar até 600 mil vacinas por dia.

Além disso, uma nova remessa de 5,4 mil litros de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) da farmacêutica Sinovac deve chegar na quarta-feira em Campinas, segundo Doria. O material permite a produção de 8,6 milhões de doses da vacina, o que será feito pelo Instituto Butantan.

Ao todo, com os contratos já firmados, o governo e o Instituto Butantan esperam receber o equivalente a 17,3 milhões de doses em insumos para produção da Coronavac.

Até as 12h25 desta segunda, o Estado tinha 417.494 pessoas vacinadas com a primeira dose da vacina contra a covid-19. Sobre a vacinação de idosos, Doria disse que 587 mil doses serão destinadas à primeira etapa, com início em 8 de fevereiro. As vacinas serão enviadas a todas as regiões até quarta-feira, 3, com foco inicial nas pessoas com mais 90 anos e, "na sequência", aquelas com 85 anos ou mais.

De acordo com o governo, espera-se que a vacinação da população idosa de 80 a 84 anos comece no fim de fevereiro. "Muito em breve anunciaremos novas etapas de vacinação."

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais