98 Live - Logo
  1. News
  2. Polícia
  3. Ministério Público denuncia fundador da Ricardo Eletro por sonegação de impostos

Ministério Público denuncia fundador da Ricardo Eletro por sonegação de impostos

Denúncia aponta sonegação fiscal de R$ 14 milhões do grupo comandado por Ricardo Nunes

Por Da redação - Polícia11/11/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) denunciou à Justiça, nesta quarta-feira (11), Ricardo Nunes e Pedro Daniel, administradores do grupo Ricardo Eletro, por terem se apropriado de cerca de R$ 14 milhões em ICMS cobrado dos consumidores e não repassados ao Estado de Minas Gerais, no período compreendido entre 2012 e 2017.

A denúncia é resultado da “Operação Direito com o Dono”. Em julho, força-tarefa composta pelo MPMG, Secretaria de Estado de Fazenda, Polícia Civil e Advocacia-Geral do Estado desencadeou a ação visando desestruturar suposta organização criminosa que teria sonegado cerca de R$ 400 milhões em ICMS devidos ao Estado de Minas Gerais.

A denúncia relata que o imposto era embutido no preço dos produtos vendidos ao consumidor, mas não era repassado à Fazenda Pública, apropriando-se a empresa e seus administradores desse lucro ilícito.

As investigações continuam com a finalidade de apurar os crimes de sonegação fiscal praticados entre 2017 e 2019, cujo montante aproximado seria em torno de R$ 80 milhões. Ainda são investigadas as práticas de organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Após a “Operação Direto com o Dono”, a empresa Ricardo Eletro apresentou um pedido de recuperação judicial e fechou suas lojas físicas, demitindo centenas de pessoas em todo o Brasil. O Ministério Público trabalha com a tese de que R.R.N. foi o causador das dívidas que provocaram a bancarrota da empresa, transferindo para si e seus parentes os lucros obtidos com a sonegação fiscal. Conforme apurado, somente em nome de empresas de titularidade da mãe e da filha do R.R.N. foram sequestrados pela Justiça mais de R$ 60 milhões em imóveis.

Se condenados, os denunciados podem pegar até três anos de detenção, em regime semi-aberto. Os R$60 milhões sequestrados pela Justiça podem ser utilizados para ressarcimento ao erário.