98 Live - Logo
  1. News
  2. Polícia
  3. PF adia depoimento de Moro no inquérito dos atos antidemocráticos

PF adia depoimento de Moro no inquérito dos atos antidemocráticos

Polícia Federal alegou 'questões técnicas e logísticas' para desmarcar o depoimento e ainda não informou uma nova data para a oitiva

Por Estadão Conteúdo - Polícia02/10/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

A Polícia Federal adiou o depoimento do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, no inquérito que apura a organização e o financiamento de manifestações antidemocráticas. Ele seria ouvido na tarde desta sexta-feira (2) na condição de testemunha em interrogatório na Superintendência da PF em Curitiba.

De acordo com o escritório de advocacia Sánchez Rios, que representa Moro, a Polícia Federal alegou 'questões técnicas e logísticas' para desmarcar o depoimento e ainda não informou uma nova data para a oitiva.

Segundo o Estadão apurou, o interrogatório de Moro não foi solicitado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) - tal como ocorreu com outras intimações da PF no curso do inquérito. O depoimento foi motivado em razão do ex-juiz da Lava Jato ter ocupado o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública na época dos fatos investigados.

O inquérito dos atos antidemocráticos tramita em sigilo no Supremo Tribunal Federal (STF). A investigação foi aberta em abril, a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, depois que manifestações defendendo a volta da ditadura militar, intervenção das Forças Armadas e atacando instituições democráticas marcaram as comemorações pelo Dia do Exército em diferentes cidades do País. A realização de atos simultâneos, com carros de som e peças de propaganda 'profissionais', nas palavras da Procuradoria, ensejaram a apuração sobre a organização, divulgação e o financiamento desses eventos.

Além dos protestos físicos, o suposto lucro obtido por blogueiros, influenciadores e youtubers de direita com a transmissão ao vivo dos protestos chamou atenção do Ministério Público Federal (MPF). A suspeita é que parlamentares, empresários e donos de sites bolsonaristas atuem em conjunto em um 'negócio lucrativo' de divulgação de manifestações contra a democracia.

Nos últimos cinco meses, os delegados federais Igor Romário de Paula, Denisse Dias Rosas Ribeiro, Fábio Alceu Mertens e Daniel Daher, designados para conduzir as investigações, ouviram mais de 20 pessoas e intimaram outra dezena que deve ser interrogada nos próximos dias. São empresários declaradamente bolsonaristas, deputados da base de apoio do governo, membros do Aliança pelo Brasil (partido político que o presidente tenta tirar do papel desde que rompeu com a ala que dirige o PSL), assessores da presidência, os filhos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Eduardo e Carlos, e donos de páginas nas redes sociais idealizadas para defender ideais conservadores.