98 Live - Logo
  1. News
  2. Polícia
  3. 'Sabotagem está descartada', diz delegado após perícias na cervejaria Backer

'Sabotagem está descartada', diz delegado após perícias na cervejaria Backer

Delegado Flávio Grossi, responsável pelas investigações, disse que os peritos detectaram vazamentos de di etileno glicol e monoetileno glicol na cervejaria

Por Rock News - Polícia08/04/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O delegado Flávio Grossi, responsável pelas investigações do caso Backer, disse na tarde desta quarta-feira (8) que os peritos detectaram vazamentos de di etileno glicol e monoetileno glicol na cervejaria.

Uma das hipóteses levantadas pela empresa, a de que houve uma sabotagem, foi descartada pelo delegado.

"Não tem como mais indicar sabotagem. A investigação está focada agora em onde e como aconteceu o vazamento", disse Grossi. Segundo ele, o processo para descobrir o local do vazamento já "está em ponto acelerado", mas ele preferiu não revelar para não atrapalhar as investigações.

São, ao menos, 42 pessoas com suspeitas de intoxicação pelas substâncias encontrada em rótulos da cervejaria. Foram confirmados, por meio de exames, a intoxicação de 11 pacientes. Nove pessoas morreram em decorrência do consumo da cerveja contaminada.

Responsabilidade

Segundo o delegado, a empresa como pessoa jurídica não será responsabilizada. "São as pessoas físicas que atuavam na produção cervejeira. Esse é um ponto a se debater no final do inquérito. Todos que atuavam na produção são passíveis de investigação e podem ser indiciados por contaminação de produto alimentício, homicídio, lesões corporais e outros fatos que podem perambular pelos acontecimentos", explicou.

Nota da cervejaria

A cervejaria se manifestou sobre o caso. Leia a nota completa:

A Backer espera que as autoridades concluam as investigações o quanto antes e que forneçam respostas definitivas sobre o que ocorreu. Exceto a confirmação, pelo delegado do caso, de que a Backer jamais adquiriu dietilenoglicol, nenhuma informação oficial sobre o resultado das perícias técnicas foi comunicado à empresa até este momento. Após 90 dias de apurações, a fábrica encontra-se paralisada, o que leva apreensão aos seus funcionários, colaboradores e clientes.

Veja entrevista com o delegado Flávio Grossi: