98 Live - Logo
  1. News
  2. Política
  3. Aras diz que MPF apura responsabilidades pela crise de saúde no Amazonas

Aras diz que MPF apura responsabilidades pela crise de saúde no Amazonas

"Combatemos a doença, a ineficiência e a corrupção", afirmou Aras, durante discurso na abertura do ano Judiciário de 2021

Por Estadão Conteúdo - Política01/02/2021
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O procurador-geral da República, Augusto Aras, destacou nesta segunda-feira (1) que o Ministério Público Federal está acompanhando de perto e apurando as devidas responsabilidades pela crise na saúde na região Norte, especialmente no Amazonas, sua capital Manaus e municípios vizinhos. "Combatemos a doença, a ineficiência e a corrupção", afirmou Aras, durante discurso na abertura do ano Judiciário de 2021, da qual ele participou virtualmente.

Diante do colapso da saúde pública em Manaus, que teve a situação agravada no início do mês com a falta de oxigênio na rede hospitalar e o aumento dos casos de covid-19, Aras pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF), no último dia 23 de janeiro, a abertura de inquérito contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, já determinou a abertura desse inquérito e o objetivo é investigar se houve omissão do ministro no enfrentamento da crise provocada pela falta de oxigênio para pacientes com covid-19 na capital do Amazonas.

A pandemia da covid-19 foi um dos temas principais destacados nesta segunda-feira, durante a abertura do ano judiciário. Além do próprio presidente do STF, ministro Luiz Fux, que começou a solenidade com o pedido de um minuto de silêncio pelas vítimas da covid e destacou em seu discurso a repulsa ao negacionismo científico neste momento.

O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, também usou a palavra para registrar homenagem às vítimas da doença. "Não compreender a dimensão da tragédia é negar nossa própria condição humana. A grave crise sanitária que enfrentamos tem mostrado a face de outras crises, igualmente profundas, a social e a econômica, e traz mais desigualdade, desalento, incertezas, e nos coloca em outra crise que é humanitária", disse Santa Cruz.

O presidente da OAB destacou ainda o papel importante da ciência neste momento de chegada das vacinas. Segundo ele, os institutos de ciências foram capazes, com eficiência e nem sempre com condições orçamentárias e políticas, de apresentar neste momento a solução, as vacinas para todos os brasileiros.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.