98 Live - Logo
  1. News
  2. Política
  3. Bolsonaro diz que Moro aceitaria troca na PF depois que fosse indicado ao STF

Bolsonaro diz que Moro aceitaria troca na PF depois que fosse indicado ao STF

Presidente disse que conversou com o ex-ministro mais de uma vez sobre a troca de comando na Polícia Federal

Por Fernando Motta - Política24/04/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento no Palácio do Planalto, no final da tarde desta sexta-feira (24), após a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça. Bolsonaro disse que conversou com Moro mais de uma vez sobre a substituição de Maurício Valeixo na Polícia Federal e que o o ex-ministro teria concordado com a troca, mas em novembro, depois que o presidente o indicasse ao Supremo Tribunal Federal.

Segundo o presidente, Moro teria dito: "Você pode trocar o Valeixo, sim, mas em novembro, depois que o senhor me indicar para o Supremo Tribunal Federal". O presidente disse que não aceitou a condição. "Reconheço as suas qualidades em chegando lá, se um dia chegar, pode fazer um bom trabalho, mas eu não troco. E, outra coisa, é desmoralizante para um presidente ouvir isso", disse.

Na manhã desta sexta, Sergio Moro anunciou demissão do cargo porque, segundo o ex-ministro, Bolsonaro tentou interferir politicamente na Polícia Federal ao substituir o diretor-geral.

O presidente Jair Bolsonaro contestou Sérgio Moro, dizendo que tinha, sim, o direito de fazer a troca. "Oras bolas, se eu posso trocar um ministro por que não posso trocar o diretor da Polícia Federal?", questionou Bolsonaro.

Bolsonaro negou ainda que tenha pedido para Moro brindá-lo na Polícia Federal ou proteger alguém da sua família, mas deixou claro que apelou para o chefe da pasta agir no órgão para investigar alguns casos, como o atentado da facada na campanha eleitoral e o porteiro que citou o presidente no assassinato da vereadora do Rio Marielle Franco.

Na avaliação de Bolsonaro, a Polícia Federal teria dado mais atenção ao assassinato da vereadora do que ao atentado contra ele na campanha presidencial.

"Será que é interferir na polícia federal exigir, quase que implorar o Sérgio Moro para que apure quem mandou matar Jair Bolsonaro? A Polícia Federal de Sérgio Moro mais se preocupou com Marielle do que com seu chefe supremo. Cobrei muito eles aí. Não interferi." Autonomia, de acordo com Bolsonaro, não é "soberania".

Carta

Ao ler uma carta direcionada ao ex-juiz da Lava Jato no discurso, Bolsonaro disse estar "decepcionado e surpreso" com o comportamento de Moro. O chefe do Planalto classificou as declarações do ministro como infundadas. "Não são verdades as insinuações que eu desejaria saber sobre investigações em andamento."

"Desculpa, senhor ministro, o senhor não vai me chamar de mentiroso", declarou Jair Bolsonaro ao contestar Moro. O presidente exonerou o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, após o ministro deixar claro que sairia do governo caso a demissão se concretizasse.

(Com Agência Estado)

(Foto: Isaac Nóbrega)

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.