98 Live - Logo
  1. News
  2. Política
  3. Bolsonaro sobre operação contra fake news: 'ordens absurdas não se cumprem'

Bolsonaro sobre operação contra fake news: 'ordens absurdas não se cumprem'

"Não pode um processo começar em cima de um factóide, em cima de uma fake news", declarou

Por Agência Estado - Política28/05/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O presidente Jair Bolsonaro declarou nesta quinta-feira (28) que não admitirá "decisões individuais" e "monocráticas". Bolsonaro fez um alerta velado ao Supremo Tribunal Federal (STF) dizendo: "Chega". "Acabou, porra!", esbravejou. "Não dá para admitir mais atitudes de certas pessoas individuais, tomando de forma quase que pessoais certas ações", disse.

"Mais um dia triste da nossa história, mas foi o último dia triste", comentou o presidente referindo-se ao dia de ontem, quando empresários, políticos e blogueiros aliados ao seu governo foram alvo de operação da Polícia Federal em inquérito que apura ataques e fake news contra ministros da Corte. As ações de busca e apreensão foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, relator da investigação.

Bolsonaro afirmou que "invadir casas de pessoas inocentes" e submetê-las a humilhações é "inadmissível". O chefe do Executivo classificou a quarta-feira como dia "triste" e alertou que seria o último do tipo. "Não foi justo o que aconteceu ontem", disse.

Em sua fala, Bolsonaro, contudo, não citou Moraes nominalmente e destacou mais de uma vez que respeita os Poderes públicos - cobrando respeito também. "Respeitamos os demais poderes, mas não abrimos mão de que nos respeitem também".

"Inventaram o nome 'gabinete do ódio', uns acreditaram e outros foram além e abriram processo no tocante a isso. Não pode um processo começar em cima de um factóide, em cima de uma fake news", declarou.

O presidente disse que "a historinha de querer criminalizar o ódio" é uma forma de censurar as mídias sociais, que o elegeram. Ele citou ainda é que "não existe pessoa mais humilhada" que ele nas redes sociais e nem por isso "levantou uma só palavra no sentido de controlar quem quer que seja".

Gabinete do ódio

No despacho que autorizou a operação, Moraes escreveu que há provas que apontam para a possibilidade de o gabinete do ódio ser uma associação criminosa.

Gabinete do ódio é como políticos ouvidos no inquérito chamaram o grupo que produz e dissemina fake news pelas redes sociais. Para Moraes, o conteúdo produzido representa um risco para independência entre os poderes e as instituições democráticas.

"As provas colhidas e os laudos técnicos apresentados no inquérito apontaram para a existência de uma associação criminosa dedicada à disseminação de notícias falsas, ataques ofensivos a diversas pessoas, às autoridades e às Instituições, dentre elas o Supremo Tribunal Federal, com flagrante conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática", escreveu o ministro.

(Marcello Casal Jr/Agência Brasil)