98 Live - Logo
  1. News
  2. Política
  3. Câmara vai retomar Conselho de Ética para analisar caso da deputada Flordelis

Câmara vai retomar Conselho de Ética para analisar caso da deputada Flordelis

Atividades presenciais da Câmara estão suspensas desde março; Flordelis (PSD-RJ) é acusada de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo

Por Agência Brasil - Política01/09/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

A Câmara dos Deputados decidiu retomar o trabalho do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. A decisão foi tomada na manhã desta terça-feira (1º), pela Mesa Diretora da Casa. Além do Conselho de Ética, também deverão retomar as atividades as comissões de Constituição e Justiça, de Finanças e Tributação e de Fiscalização Financeira e Controle.

Com a reabertura, o colegiado deve analisar o pedido de representação contra a deputada Flordelis (PSD-RJ), acusada de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, morto a tiros em junho de 2019, em Niterói (RJ).

Como as atividades presenciais da Câmara estão suspensas desde março, em razão da pandemia do novo coronavírus, o corregedor, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), apresentou um projeto de resolução para permitir a realização das reuniões do Conselho de Ética por meio de videoconferência.

Nos próximos dias deve ser publicada no Diário Oficial da Câmara a autorização para a volta do funcionamento dos colegiados. A expectativa é que eles possam funcionar de maneira remota a partir da semana que vem.

Antes de encaminhar o caso ao Conselho de Ética, a Mesa Diretora vai mandar a representação para a corregedoria da Casa, que notificará a deputada para que apresente, no prazo de até cinco duas úteis, a sua defesa. Após ouvida a defesa, será elaborado um parecer sobre a continuidade ou não do procedimento.

Conselho

O Conselho de Ética é formado por 42 deputados (21 titulares e 21 suplentes). Após o recebimento da representação no Conselho de Ética, o regimento interno da Câmara determina o prazo de cinco sessões ordinárias para que Flordelis apresente sua defesa por escrito.

Caberá ao presidente do colegiado, deputado Juscelino Filho (DEM-MA), definir o relator a partir de um sorteio de uma lista tríplice, da qual são excluídos os deputados do mesmo partido e do mesmo estado do alvo da representação.

Após a definição, o relator terá o prazo de dez dias para apresentar um parecer no qual deverá recomendar o seguimento ou o arquivamento do processo.

Defesa

No último dia 24, Flordelis foi acusada de ser a mandante do homicídio do marido. O crime ocorreu em 16 de junho de 2019, quando ele chegou em casa, em Niterói, e foi alvejado com vários tiros.

De acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro, a motivação do crime era o fato de o pastor Anderson “manter rigoroso controle das finanças familiares e administrar os conflitos de forma rígida, não permitindo tratamento privilegiado das pessoas mais próximas a Flordelis, em detrimento de outros membros da numerosa família”.

A defesa da deputada diz não ver elementos que sustentem a denúncia. “Temos aqui o desfecho da segunda fase da investigação, em que a autoridade policial apontou que a deputada Flordelis seria a mandante deste crime. Ao ver da defesa, não há elementos, mínimos que fossem, para ela receber esse tratamento de ser indiciada, denunciada, como mandante desse terrível crime”, disse o advogado Anderson Rollemberg, que defende Flordelis.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.