98 Live - Logo
  1. News
  2. Política
  3. Em primeira "grande derrota" de Kalil na Câmara, base retira texto que pedia empréstimo bancário

Em primeira "grande derrota" de Kalil na Câmara, base retira texto que pedia empréstimo bancário

O projeto do Executivo que visava pedir autorização para um empréstimo bancário de quase US$160 milhões

Por Lucas Ragazzi - Política11/03/2021
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

A base de governo do prefeito Alexandre Kalil (PSD) na Câmara Municipal retirou da pauta de votação, nessa quarta-feira (10), um projeto do Executivo que visava pedir autorização para um empréstimo bancário de quase US$160 milhões (cerca de R$ 820 milhões) junto ao Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird). Segundo interlocutores, o projeto não foi para votação porque vereadores da base perceberam que o texto não teria votos suficientes para ser aprovado em plenário. 

Os R$ 820 milhões estavam previstos pela prefeitura para serem utilizados em obras na região da Ocupação do Isidoro, em Venda Nova. A retirada do projeto da pauta de votação foi vista por parlamentares como a primeira grande derrota de Kalil na Câmara Municipal de BH

Composto por sete vereadores, o bloco que reúne vereadores do PP e do PROS, foi considerado decisivo para a retirada do projeto da pauta, uma vez que seus integrantes acenaram pelo voto contrário ao texto. O bloco é ligado ao deputado federal Marcelo Aro (PP-MG), que, em fevereiro, rompeu politicamente com o prefeito Alexandre Kalil. 

Em anonimato, um vereador da base do prefeito na Casa fez críticas ao atual líder de governo, o vereador Léo Burguês (PSL). "O líder de governo a partir de agora vai ter que trabalhar, a interlocução não vem sendo boa. Só chegar no plenário e gritar 'sim' não está funcionando", disse.

À imprensa, Léo Burguês afirmou que pediu novas reuniões com parlamentares novatos para tirar dúvidas. "Alguns vereadores pediram para conversar mais porque não tiveram essa discussão sobre o empréstimo no ano passado, por isso têm dúvidas", afirmou.