98 Live - Logo
  1. News
  2. Política
  3. "Não descarto a Prefeitura" diz vereadora eleita Duda Salabert

"Não descarto a Prefeitura" diz vereadora eleita Duda Salabert

Em entrevista ao programa 98 Talks, Duda Salabert, vereadora mais votada da história de Belo Horizonte, com mais de 37 mil votos, disse que tem interesse na Prefeitura, mas que vai cumprir o mandato no legislativo

Por Vinícius Silveira e Lucas Rage - Política19/11/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

Primeira vereadora transexual eleita em Belo Horizonte, Duda Salabert se destacou ainda mais. Recordista de votos nas últimas eleições municipais em BH, Duda alcançou 37.613 votos, 20 mil a mais que o recorde anterior, pertencente a Áurea Carolina, que conseguiu 17.420 votos, em 2016.

Duda Salabert participou do programa 98 Talks nesta quinta-feira (19), e entre diversos assuntos abordados, disse que tem interesse em tentar a prefeitura de Belo Horizonte, mas que vai cumprir o mandato como vereadora. Veja os principais pontos da entrevista.

Pautas no Legislativo

"Acredito que a política é a arte de buscar consensos (...) Quanto mais diversa for uma Câmara Legislativa, mais ganha a cidade. A diversidade que buscamos não é só uma diversidade de gênero, sexual, mas também uma diversidade político-democrática", afirmou Duda. "Somos o país que há 12 anos é o que mais mata pessoas transexuais (...) Há um preconceito de nos colocar em uma caixinha, e achar que nós pessoas travestis, transexuais, discutimos pautas exclusivamente voltadas para nossa identidade. Se você pegar a minha campanha verá que discuti questões econômicas, ambientais e educacionais. Sou professora há 20 anos e apresentei pautas importantes para a cidade, se eleita: como por exemplo a distribuição de absorventes para nas escolas municipais", explicou.

Renovação na Câmara

"Infelizmente, a última Câmara Municipal que nós tivemos foi a pior da história de Belo Horizonte, nos últimos tempos", criticou Duda. "Porque pautou temas que causavam grande comoção social, mas que não mudava nada na vida da sociedade. Por exemplo, passou 1 ano discutindo o projeto Escola Sem Partido. Um projeto inconstitucional, que levanta muitos os ânimos, mas não causa nenhuma mudança social", completou.

"Belo Horizonte caiu na qualidade do ensino, e isso é uma crítica também aos vereadores", afirmou. "Outro problema estruturante são as enchentes, e os vereadores também são culpados. Pois é papel do vereador fiscalizar as enchentes", disse. "O prefeito Alexandre Kalil errou, mas também erraram os vereadores, que tem a obrigação de fiscalizar o prefeito".

Ideologia política na Câmara

"Entendo que na política partidária, institucional, pressupõe a conversa. Você não pode transformar um gabinete com a mesma prática política que você faz nos movimentos sociais. Acredito que precisamos trazer pessoas para que avancemos enquanto campo. Então [foi eleita] uma Duda do diálogo, uma Duda da conversa, para trazer melhorias para a sociedade. Quando estou no movimento social, a gente tem uma pegada mais energética, porque ali é o tempo da urgência. A política partidária demanda um pouco mais de tempo", afirma.

Sobre o PDT

"Em relação ao PDT, quando fui filiada, o Ciro Gomes foi quem me deu carta branca. Durante a minha candidatura eu defendi a minha postura de apoio à candidata [à Prefeitura] Áurea Carolina. Conversei com o partido inteiro e o próprio Ciro Gomes foi quem disse: 'Duda, você pode vir, pratique a sua política. O partido é de Centro-Esquerda, e a Esquerda é o seu espaço'. Então não é a Duda da Centro-Esquerda, é a Duda da Esquerda, dos movimentos sociais, e o próprio Ciro Gomes dá apoio para isso", afirmou.

Possível disputa à PBH

Vou cumprir meu mandato, eu prometi isso e teria sim este interesse em disputar a prefeitura, um executivo. Eu estava em terceiro lugar nas pesquisas eleitorais. Em todas as pesquisas que saíram, as espontâneas, porque não colocavam meu nome nas [pesquisas] estimuladas, porque sabiam que ia ficar lá em cima, mas nas espontâneas todas fiquei em terceiro lugar.

Acredito que se tivesse disputado para a prefeitura nós teríamos um segundo turno. Perderíamos para o Kalil, mas acho que iríamos para o segundo turno. Então, dei um passo para trás, mas para que nosso campo desse três passos a frente, formando uma frente ampla. Não conseguimos, mas daqui quatro anos, penso em disputar uma prefeitura, dependendo da minha participação na política agora”, disse Duda Salabert.  

Confira a entrevista de Duda Salabert, na íntegra, em nosso canal no YouTube.