98 Live - Logo
  1. News
  2. Política
  3. "Não teremos mais a BHTrans, se tudo der certo", diz Gabriel Azevedo sobre CPI da Caixa Preta

"Não teremos mais a BHTrans, se tudo der certo", diz Gabriel Azevedo sobre CPI da Caixa Preta

Parlamentar e a presidente da Casa, vereadora Nely Aquino, participaram do 98 Talks para falar sobre a instauração de 2 Comissões de Inquérito no Legislativo Municipal

Por Marcello Oliveira e Lucas Rage - Política18/05/2021
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

A BHTrans, empresa responsável por fiscalizar o transporte público da capital, pode estar com os dias contados. Pelo menos se depender do vereador Gabriel Azevedo (Patriota), considerado favorito para presidir a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que promete “abrir a caixa preta” das empresas de ônibus, instaurada nesta terça-feira (18) no Legislativo Municipal.

“Eu e o presidente da BHTrans chegamos no consenso de um projeto de Lei, já redigido, que transforma completamente [a empresa]. Não teremos mais a BHTrans, se tudo der certo”, afirmou Azevedo em entrevista ao 98 Talks, se referindo ao novo presidente do órgão, Diogo Prosdoscimi.

"Passaremos a ter a empresa BH Mobilidade, com uma lógica completamente diferente", explica o vereador. Segundo Azevedo, o principal foco é a integração da empresa com suas "irmãs", que atuam em cidades da Região Metropolitana.

CPI dos Gastos

Além da CPI da BHTrans, a Câmara Municipal instaurou nesta terça uma Comissão destinada a verificar os gastos da Prefeitura durante a pandemia da Covid-19. O vereador mais cotado para presidir a CPI da Covid é Professor Juliano Lopes (PTC).

Também entrevistada no 98 Talks desta terça, a presidente da Câmara, vereadora Nely Aquino (Podemos), explicou o motivo da CPI dos Gastos. "Quando temos um requerimento sobre os gastos [da PBH] na pandemia, com três páginas de justificativa, é por que os vereadors têm muitas dúvidas", afirmou a presidente do Legislativo. "As dúvidas da Câmara, são as dúvidas do povo de Belo Horizonte", disse.

CPI não é instrumento de guerra

Nely ressaltou ainda a importância do diálogo entre os parlamentares e a PBH, durante os trabalhos do Legislativo. "CPI não é instrumento de guerra. Não desejamos travar uma batalha contra o Executivo. Nosso objetivo é trazer luz a fatos que, uma vez desconhecidos, impedem o desenvolvimento da cidade", afirmou.

Confira a íntegra da entrevista: