98 Live - Logo
  1. News
  2. Política
  3. ‘Serei candidato contra Bolsonaro’, diz Lula à revista francesa

‘Serei candidato contra Bolsonaro’, diz Lula à revista francesa

Em fala à Paris Match, ex-presidente da República confirmou pela primeira vez sua pré-candidatura à eleição de 2022

Por Estadão Conteúdo - Política20/05/2021
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) confirmou pela primeira vez que é pré-candidato à eleição de 2022 após ter recuperado os direitos políticos por decisão do Supremo Tribunal Federal. "Serei candidato contra Bolsonaro", disse Lula à revista francesa Paris Match.

"Se estiver na melhor posição para ganhar as eleições e estiver com boa saúde, sim, não hesitarei", disse o ex-presidente, questionado se será candidato no ano que vem. "Penso que fui um bom presidente. Criei laços fortes com a Europa, América do Sul, África, Estados Unidos, China, Rússia. Sob meu mandato, o Brasil tornou-se um importante ator no cenário mundial, notadamente criando pontes entre a América do Sul, África e os países árabes, com o objetivo de estabelecer e fortalecer uma relação entre países do Hemisfério Sul e demonstrar que o predomínio geopolítico do Norte não era imutável”, disse.

Na terça-feira (18), Lula usou o Twitter para fazer afagos ao Centrão e até fazer comentários elogiosos sobre adversários políticos, como Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Ciro Gomes (PDT).

Também falou de bandeiras que defende para o Brasil, mas ainda sem citar uma eventual candidatura.

"Semana passada em Brasília falei com mais de 60 políticos, de vários partidos. Semana que vem vou conversar com os movimentos sociais, intelectuais e com o movimento sindical. Quero conversar muito. Quem faz política conversa. Dono da verdade, carrancudo, não serve para política", escreveu o ex-presidente.

Elegível pelo STF

Em abril, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu derrubar as condenações impostas pela Operação Lava-Jato ao ex-presidente. O plenário manteve a decisão do relator da Lava Jato, Edson Fachin, que considerou no mês passado que a Justiça Federal de Curitiba não era competente para investigar Lula, já que as acusações levantadas contra o ex-presidente não diziam respeito diretamente ao esquema bilionário de corrupção na Petrobras investigado pela operação.