Carregando...

Saúde

Data de abertura do Hospital de Campanha sai na 5ª feira, diz Secretário de Saúde

Carlos Eduardo Amaral explicou ainda como funciona a nova metodologia de contagem de leitos ocupados no estado; confira a entrevista!

Por Lucas Rage

A data de abertura do Hospital de Campanha do Expominas, em Belo Horizonte, será divulgada amanhã pelo Governo de Minas Gerais.

A informação foi divulgada pelo Secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, em entrevista ao Central 98.

“A previsão nossa é que nós venhamos a abrir o Hospital de Campanha com poucos leitos e, a medida que for havendo a necessidade, a gente vai ampliando os leitos”, afirmou. Segundo ele, o objetivo é evitar o alto custo de manutenção do espaço com leitos desocupados.

73 mortes em MG

O secretário ainda comentou o recorde de óbitos pela Covid-19 em Minas, registrado nesta quarta-feira. 

“Quando confirmamos na Secretaria de Saúde 73 óbitos, significa que fizemos um consolidado de todos os municípios e avaliamos se eles eram por conta da Covid-19”, disse. “Na verdade, esses 73 óbitos não correspondem a pessoas que faleceram no dia de ontem, e sim que morreram nos últimos dias e que ontem foram consolidados”.

Segundo o secretário, nos últimos 14 dias a média de óbitos do estado está em 28 mortes por dia. “No início ela estava muito baixa. Há alguns dias ela atingiu 20 óbitos por dia, e agora atingiu 28 de média”.

Carlos Eduardo reforçou a alta nos números, nos boletins de terça e quarta-feira. Isso se deve ao acúmulo de notificações do fim de semana.

Alteração na metodologia de leitos

O secretário explicou ainda a alteração na metodologia que calcula a ocupação de leitos em Minas Gerais. O novo método reduziu o índice de ocupação de leitos, de 90% para 68% em uma semana.

“O que tínhamos no início era baseado na ocupação do SUSFácil. Essa ocupação era relacionada às AIHs, as autorizações que os hospitais emitem. O que vimos ao longo do monitoramento é que muitas dessas AIHs começavam a ser identificadas, mas não tinham a alta do paciente no sistema. Isso estava trazendo uma duplicidade, ou seja, as pessoas teoricamente internavam mas não tinham a alta no sistema. E nós identificávamos o leito como estando ocupado”, conta.

Com a nova metodologia, são identificados os leitos que estão efetivamente vagos — e não as autorizações de internação. “Quando há dúvida, nosso escritório de leitos entra em contato com o Hospital para ver o que de fato está acontecendo”, continua.

Segundo o secretário, a nova metodologia traz um retrato “mais confiável e preciso” da situação dos leitos no estado.

Confira a entrevista completa com o Secretário de Saúde:



Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais