98 Live - Logo
  1. News
  2. Saúde
  3. Israel e Nova Zelândia aprovam uso de spray nasal contra Covid-19

Israel e Nova Zelândia aprovam uso de spray nasal contra Covid-19

Produto deverá ser vendido imediatamente no país da Oceania, mas em Israel, somente em junho. Aprovação ocorre no mesmo dia em que agência europeia desaconselhou uso de Ivermectina

Por Marcello Oliveira - Saúde22/03/2021
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

Um spray nasal de óxido nítrico, que pode ajudar a pevinir e controlar a transmisão do vírus que causa a Covid-19, foi aprovado nesta segunda-feira (22) para venda em Isreal e também na Nova Zelândia. A informação foi divulgada pela empresa fabricante do produto, a canadense SaNOtize, que produz o spray, chamdo Enovid em Israel.

Em Israel ele estará disponível ao público a partir de junho, já na Nova Zelândia, o órgão regulador de medicamentos no país autorizou a venda e distribuição comercial ao público geral imediatamente.

Vale ressaltar que este não é o spray nasal que é negociado pelo governo brasileiro, o EXO-CD24, desenvolvido em Israel e que motivou a ida de uma comitiva do governo brasileiro ao país para conhecer o produto ainda em testes por lá. O assunto correu o mundo após divulgação da agência Reuters. A rede CNN disse que conversou com o laboratório e ele explicou a diferença dos dois sprays. "O governo [brasileiro] está negociando o tratamento errado. [O spray da] SaNOtize é diferente, muito mais avançado [no desenvolvimento] e com resultados mais fortes que o EXO-CD", disse a assessoria da SaNOtize em resposta à CNN. 

O Enovid protege os usuários de vírus que entram no corpo através das vias nasais superiores. Na semana passada, a SaNOtize e o Fundo dos Hospitais Ashford e St Peter's do NHS (sistema de saúde inglês), de Surrey, no Reino Unido, anunciaram os resultados dos testes clínicos do Nons, que mostraram que ele é um tratamento antiviral efetivo e que pode ajudar a prevenir a transmissão da Covid-19, diminuir os dias de infecção e reduzir a severidade dos sintomas e danos em pessoas que já estão com a doença.

Chris Miller, diretor científico da SaNOtize, disse que a formulação de óxido nítrico para uso em humanos deve "matar os vírus nas vias aéreas superiores, prevenindo que eles fiquem em incubação e se espalhem pelos pulmões". 

Importante lembrar que, apesar da Nova Zelândia aderir ao tratamento precoce contra o coronavírus, o país é um dos menos afetados do mundo pela pandemia. O país não dispensa a quarentena a cada novo caso. Recentemente um novo caso foi detectado em Auckland e com isso, todas a região, de cerca de dois milhões de habitantes, foi isolada e ficou por duas semanas em restrições severas, inclusive para os serviçoes essenciais, como supermercados. No total, a Nova Zelândia registrou 2.462 casos e 26 mortes por covid-19 desde o início da pandemia. A vacinação no país deve comerçar somente no segundo semetre com vacinas da Pfizer, segundo anunciou a Primeira Ministra, Jacinda Arden.

 

Isreal viu os números de Covid-19 despencarem após unir um efetivo lockdown com vacinação em massa. O país é o mais adiantado em vacinação em todo o mundo. Foram 827.772 casos registrados até esta segunda-feira (22), com 6.092 mortes.

Tratamento precoce

Enquanto o Spray autorizado em Israel e Nova Zelândia comprovadamente podem reduzir a gravidade da doença, o uso da Ivermectina ganhou novo capitúlo nesta segunda-feira (22). A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) desaconselhou o uso do medicamento na prevenção ou tratamento da Covid-19.  A EMA "concluiu que os dados disponíveis não apoiam seu uso para a Covid-19 fora dos ensaios clínicos", declarou a agência. Ainda segundo a agência, mais estudos "são necessários para tirar conclusões sobre a eficácia e segurança do produto na prevenção e tratamento da Covid-19". O uso desse medicamento como tratamento contra a Covid-19 também não está autorizado na União Europeia, e a EMA não recebeu o pedido, disse o regulador europeu.

"Estudos em laboratório mostraram que a ivermectina pode bloquear a replicação do SARS-CoV-2, mas em concentrações muito superiores às obtidas com as doses atualmente autorizadas”, explicou a EMA.