98 Live - Logo
  1. News
  2. Saúde
  3. “Não há previsão para flexibilização”, diz Kalil sobre fim da quarentena em BH

“Não há previsão para flexibilização”, diz Kalil sobre fim da quarentena em BH

Prefeito abriu diálogo com representantes do comércio de BH, com o intuito de estudar a retomada de atividades

Por Lucas Rage e João Henrique do Vale - Saúde20/04/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

Belo Horizonte ainda pode estar longe do fim do isolamento social. A declaração partiu do prefeito Alexandre Kalil, em fala a jornalistas na sede da Prefeitura, nesta segunda-feira (20).

“Não temos ainda a data de saída desta pandemia, para a flexibilização [do isolamento]. Não temos porque a mesma técnica, e a ciência de entrada, será usada para a saída da pandemia”, afirmou o prefeito. “Não é feito de qualquer maneira, mas com matemática, probabilidade estatística e, principalmente, a ciência”, completou.

Durante a coletiva, Kalil definiu o combate à Covid-19 a uma guerra. “A guerra começou e nós nos preparamos para a guerra. Essa guerra começou e não sabemos onde o inimigo está e a quantidade do inimigo”, disse.

O prefeito ainda lamentou a situação pela qual passa Belo Horizonte, que tem acumulado prejuízo para o setor de comércio serviços da capital. “Me sinto deprimido e triste de passar por uma situação depois de tanta luta sacrifício e boa vontade de todos, de ser o grande vilão da população. Vamos sair dessa lá na frente”.

Em entrevista ao Central 98 desta segunda-feira (20), o médico infectologista Estevão Urbano afirmou que a equipe de enfrentamento à Covid-19 já estuda um cronograma de reabertura das atividades em BH.

Monitoramento e máscaras 

O prefeito detalhou ainda as formas de monitoramento do isolamento que têm sido usadas em BH. 

“Existem dois graus de monitoramento, o próprio transporte público e de automóveis que mostra o trânsito e agora estamos colocando o sistema de telefonia, mas estamos aprimorando. 

Agora existirá também, um teste por amostragem, que seria de pesquisa eleitoral. Mas como a guerra está no começo, temos um tempo para olhar este tipo de monitoramento”, declarou.

Durante a coletiva, Kalil também anunciou a entrega de 2 milhões de máscaras de proteção individual, que serão disponibilizadas à população carente de BH. A partir da próxima quarta-feira, entra em vigor o decreto que obriga o uso de máscaras em órgãos públicos da capital.

Apoio dos vereadores

Durante o evento, Kalil recebeu uma carta de apoio, assinada por 34 dos 40 vereadores de BH.

A carta foi entregue pelo vereador Léo Burguês (PSL), líder da base do prefeito na Casa. 

Burguês chefia um comitê formado por representantes do comércio da capital, que preparou um plano de retomada gradual dos negócios em tempos de pandemia

Segundo Kalil, é importante diálogo com representantes das áreas econômica e da saúde, de modo a se alcançar um resultado benéfico a todos.Não podemos abrir o comércio sem chamar os comerciantes na mesa. Temos que colocar infectologistas, segurança, saúde e os comerciantes para falar".



Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.