98 Live - Logo
  1. News
  2. Saúde
  3. Segunda etapa do hospital de Campanha no Expominas é concluída

Segunda etapa do hospital de Campanha no Expominas é concluída

Previsão é de que a unidade possa receber pacientes ainda em abril

Por João Henrique do Vale - Saúde15/04/2020
  • whatsapp
  • facebook
  • twitter

O Hospital de Campanha no Expominas, em Belo Horizonte, deve começar a receber pacientes no fim de abril. A segunda etapa das obras foi concluída nesta quarta-feira. A unidade vai oferecer 768 vagas, sendo 740 leitos de enfermaria e 28 de estabilização. 

Foram investidos R$ 5,3 milhões na implantação e estruturação do hospital, por meio de recursos públicos e privados. Do total, R$ 4,5 milhões foram recebidos em doações financeiras. 

A segunda etapa de construção da unidade de saúde foi concluída nesta quarta-feira. Foi feita a montagem do mobiliário e enxoval hospitalaradequação elétricarede de esgoto hospitalar e início de operação gasométrica

Os leitos foram divididos em três blocos, que serão colocados em operação gradualmente. Nesta quarta-feira foi entregue o bloco amarelo, que conta com 260 leitos de enfermaria e 28 de estabilização. Os outros dois blocos serão abertos mediante a necessidade. 

O objetivo do Hospital de Campanha é ampliar a capacidade de atendimento do sistema público de saúde do Estado. O objetivo é criar condições aos hospitais convencionais de providenciar o tratamento da Covid-19, sobretudo os casos graves. 

O hospital de campanha será para admissão de pacientes referenciados e com autorização de internação hospitalar, preferencialmente do Sistema Único de Saúde (SUS) e acometidos pela Covid-19.

O governador Romeu Zema disse, em entrevista coletiva, que o hospital funcionará como um 'estepe', para o caso de superlotação dos leitos do sistema de Saúde. "Gostaria que não fosse usado, mas não podemos passar desta crise sem estepe. Ninguém viaja sem estepe. E nós não vamos passar esta crise sem", disse.

Segundo ele, 4% dos leitos da UTI no Estado estão ocupados por pacientes com Covid-19. "Estamos confortáveis. Minas está em um curva que se caminha para continuar horizontal. Mas temos que continuar porque já vimos em outros lugares aumento da curva", disse.