Carregando...

Saúde

Vereador mostra em live um hospital equipado, mas completamente vazio

Santa da Casa de Carmo da Mata conta com UTI´s, mas encaminha pacientes com Covid-19 para outras cidades; prefeitura e Governo do Estado alegam falta de estrutura do hospital

Por Marcello Oliveira

Após ter vídeo onde mostra a ociosidade da Santa Casa de Misericórdia de Carmo da Mata, na região oeste de Minas, viralizado, o vereador Diego Espino (PSL), de Divinópolis, irá se reunir com o governador do Estado, Romeu Zema (NOVO) e com os mantenedores do hospital para discutir a situação.

O vereador mostrou em suas redes sociais a atual situação do hospital. No vídeo, Espino mostra a unidade de saúde, dizendo que ela aparentemente está apta ao atendimento hospitalar, porém sem nenhum paciente. Ele ainda conversa com funcionárias que aparentam ser enfermeiras e até com um médico. Ele segue mostrando a estrutura hospitalar com leitos, desfibradores, cilindros de oxigênio e até um respirador. Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Saúde e a prefeitura de Carmo da Mata informaram que o hospital mostrado no vídeo não possui estrutura de atendimento aos pacientes com Covid-19.

Em entrevista por telefone para a Rádio 98, Espino conta que recebeu uma denúncia de que a unidade de saúde estava em funcionanmetno, porém completamente vazia, enquanto os hospitais de Divinópolis e de outras cidades da região estão com os hospitais com 100% de ocupação. “Os hospitais de Divinópolis estão lotados e atendem, inclusive, pacientes de Carmo da Mata que poderiam estar sendo atendidos em Divinópolis”, destaca o parlamentar. A Santa Casa mostrada no vídeo também conta com três leitos de UTI completos, com respirador, mas dois equipamentos foram emprestados para a cidade de Oliveira,também na região Oeste de Minas.

Segundo Espino, o hospital recusa pacientes com suspeita de Covid-19, que são direcionados para atendimento em Divinópolis, que fica 45 quilômetros distante de Carmo da Mata. O vereador explicou que uma dívida de cerca de R$ 2 milhões impede a Santa Casa de receber mais recursos para ampliar o atendimenro e que manutenção atualemente é feita 100% pela prefeitura de Carmo da Mata. Diante desta situação, uma reunião com o goverador Zema foi marcada para esta semana ainda para tentar resolver esse impasse. A mantenedora da Santa Casa e o deputado estadual Cleitinho Azevedo (Cidadania) compõem a comissão junto com Espino e juntos estão em busca de uma maneira para quitar a dívida do hospital para que ele possa iniciar atendimentos também de pacientes com Covid-19 o mais rápido possível.

Governo e prefeitura rebatem

A reportagem procurou o Governo de Minas para saber os motivos da Santa Casa de Carmo da Mata não integrar a central de leitos do Estado. Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde explicou os motivos que não permitem a unidade a entrar no plano de contingência da pandemia. Leia um trecho da nota:

- o Hospital Olinto Ferreira (Santa Casa) não está inserido no Plano de Contingência para atendimento a pacientes com covid-19, já que tem um perfil de atendimento de baixa complexidade hospitalar.

- Essa unidade não conta com rede de gás medicinal hospitalar (que possibilita a chegada de oxigênio a pacientes, por exemplo), respiradores e monitores em quantidade suficiente.

- A unidade também não dispõe de equipes médicas para atendimento 24 horas.

- A disponibilidade de um leito hospitalar, seja clínico ou de terapia intensiva, especialmente para tratamento de pacientes com covid-19, requer o cumprimento de normas técnicas e equipamentos específicos, que não são oferecidos pelo Hospital Olinto Ferreira.

Procurada , a prefeitura de Carmo da Mata informou que, apesar de ser uma instituição filantrópica, a Santa Casa de Carmo da Mata recebe repasses da prefeitura para atendimento de urgência e emergência, mas que a unidade não tem aparelhagem e tampouco quadro de profissionais suficientes para fazer atendimento de internação de pacientes com Covid-19.

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais