Carregando...

Cidades

Aulas no Colégio Militar de BH voltam, mesmo com decisão judicial

Justiça Federal acatou pedido do Sindicato dos Trabalhadores Ativos, Aposentados e Pensionistas no Serviço Público Federal em Minas Gerais (Sindsep-MG) e barrou volta às aulas

Por João Henrique do Vale e Carol Torres

As aulas no Colégio Militar de Belo Horizonte foram retomadas na manhã desta segunda-feira, contrariando decisão da Justiça Federal. Na última sexta-feira, o juiz da 3ª Vara Federal Cível de Minas, William Ken Aoki, acatou o pedido do Sindicato dos Trabalhadores Ativos, Aposentados e Pensionistas no Serviço Público Federal em Minas Gerais (Sindsep-MG) e determinou o regime de teletrabalho de todos os professores. A volta não é consenso entre pais e alunos. Enquanto uns comemoram o retorno, outros questionam a falta de diálogo e se dizem inseguros com o retorno das atividades.

A retomada das atividades, mesmo com a decisão judicial, foi comunicadA nesse domingo. O retorno inclui jovens do 8º ano até o 3º ano do ensino médio. As aulas vão acontecer, presencialmente, em dias alternados.

Por meio de nota, divulgada pelo Colégio Militar para pais e responsáveis, a instituição afirmou que os professores civis vão continuar em teletrabalho, enquanto que os docentes militares irão conduzir as aulas presenciais.

A decisão

O juiz federal Ken Aoki afirmou, ao acatar o pedido do Sindsep, que “o Colégio Militar de Belo Horizonte, por mais que tenha natureza jurídica de ente federal, como estabelecimento de ensino tem suas instalações no município de Belo Horizonte e o retorno às aulas presenciais é assunto de peculiar interesse do município, a cujas autoridades compete a decisão sobre a oportunidade e segurança do retorno das atividades presenciais das escolas, nos seus limites territoriais”.

Lembrou, ainda, que nenhuma instituição de ensino retornou às atividades presenciais na capital mineira. 

Insatisfação

A Rádio 98 conversou com pais de estudantes do Colégio Militar de Belo Horizonte (CMBH). Apesar de alguns responsáveis se dizerem tranquilos com o retorno das aulas presenciais no educandário, outros pais se dizem inseguros com a volta às aulas e questionam a falta de diálogo com a instituição de ensino.

De acordo com os pais, o comunicado sobre o retorno das atividades foi enviado na quarta-feira (16). Na quinta-feira (17), as famílias participaram de uma live com o comandante do CMBH, onde foi lido o comunicado de volta às aulas. No domingo (20), um novo aviso reforçou que os alunos deveriam comparecer às aulas conforme o cronograma enviado pelo colégio.

Uma mãe, que não quis se identificar, afirmou que tem tentado entrar em contato com a instituição tanto por e-mail quanto por telefone, mas sem sucesso. Pais que fazem parte do grupo de risco da Covid-19 tentam conseguir laudos médicos para justificar a ausência dos alunos nas atividades presenciais. 

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais