Cidades

  1. Notícias
  2. Cidades
  3. Backer recebe autorização para voltar produção de cerveja em BH
Imagem: Reprodução / Redes sociais

Backer recebe autorização para voltar produção de cerveja em BH

O retorno acontece dois anos após contaminação por dietilenoglicol


Por João Henrique do Vale

A Cervejaria Três Lobos, responsável pela marca Backer, vai voltar a produzir a cerveja Capitão Senra. A informação foi divulgada pela empresa nesta sexta-feira (8).

Segundo a cervejaria, a retomada da produção se deve após autorização dos órgãos competentes. “A Cervejaria Três Lobos informa que obteve a aprovação para a retomada da produção de cervejas em seu parque industrial. O processo de reabertura contou com o acompanhamento das autoridades e órgãos competentes e observou todos os critérios legais e técnicos”, informou, por meio de nota. 

A data para o retorno da produção não foi especificada pela empresa. No ano passado, a Cervejaria já tinha anunciado, por meio das redes sociais, a comercialização da cerveja Capitão Senra. 

Na nota divulgada nesta sexta-feira, a empresa afirmou que “mantém total interesse na apuração de toda e qualquer irregularidade relacionada à produção e, por isso, segue contribuindo efetivamente com o trabalho dos órgãos de controle e fiscalização”

Por fim, ressaltou que não mede esforços para oferecer apoio às vítimas e suas famílias e a retomada da produção cervejeira será um fator decisivo para ampliar a assistência médica e financeira.

Contaminação 

A intoxicação por dietilenoglicol e/ou monoetilenoglicol por pessoas que ingeriram cervejas Backer aconteceu entre 2019 e 2020. Ao todo, 26 pessoas foram intoxicadas, sendo que 10 morreram e outras 16 ficaram com sequelas. 

Três sócios e sete técnicos da Cervejaria Backer viraram réus no processo de intoxicação de cerveja.  Os sócios proprietários respondem por "corromper, adulterar, falsificar ou alterar substância ou produto alimentício destinado a consumo, tornando-o nociva à saúde", conforme o artigo 272 do Código Penal, além de "deixar de comunicar à autoridade competente e aos consumidores a nocividade ou periculosidade de produtos cujo conhecimento seja posterior à sua colocação no mercado", conforme o artigo 64 do Código de Defesa do Consumidor.

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais