Cidades

  1. Notícias
  2. Cidades
  3. Betim volta a obrigar uso de máscaras em escolas e farmácias
Imagem: Prefeitura de Betim/Divulgação

Betim volta a obrigar uso de máscaras em escolas e farmácias

Prefeitura anunciou que medida nas intituições de ensino passam a valer a partir de segunda (30)


Por Déborah Lima

A Prefeitura de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, publicou na manhã desta quinta-feira (26), através do Diário Oficial do Município, decreto de retorno à obrigatoriedade do uso das máscaras de proteção em escolas de ensino infantil, fundamental, médio e superior, públicas ou privadas.

A decisão passa a ter efeito a partir de segunda-feira, dia 30 de maio.

O município se junta a Nova Lima que anunciou ontem a decisão de retornar com a obrigatoriedade em estabelecimentos e unidades de saúde, ambientes escolares de todas as redes de ensino (pública e privada) e no interior dos veículos de transporte escolar.

Farmácias

A obrigatoriedade do uso de máscaras também volta a valer nas dependências de farmácias e drogarias do município a partir desta quinta-feira (26).

A prefeitura atendeu uma orientação do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Minas Gerais, que recomendou incluir esses estabelecimentos ao rol de espaços que executam serviços de prestação à saúde – nos quais o uso obrigatório já havia sido mantido anteriormente.

Medida preventiva

De acordo com a prefeitura, a decisão tem objetivo preventivo, ou seja, busca impedir que as contaminações pela COVID-19 voltem a crescer no município, visto que os registros aumentaram em várias cidades brasileiras.

LEIA TAMBÉM: 'Pandemia está controlada', afirma secretário de Saúde de Minas

Além disso, busca prevenir a proliferação de doenças respiratórias, que, conforme levantamento da Secretaria Municipal de Saúde, subiram 30% nos últimos dias, impulsionadas também pelo tempo frio e seco.

“Sabemos que os mais jovens, sobretudo as crianças, têm questões anatômicas que os tornam mais vulneráveis às doenças respiratórias, incluindo a covid-19. Com isso, existe, nesse público, um risco maior de complicações em decorrência dessas enfermidades na forma aguda. Paralelamente a isso, estamos em período sazonal que é mais propício às doenças respiratórias. E, por fim, temos uma cobertura vacinal que ainda está abaixo dos índices preconizados pelo Ministério da Saúde. Todos esses fatores motivaram a decisão do prefeito Vittorio Medioli de retomar o uso da máscara nas instituições de ensino”, explica o secretário adjunto de Assistência à Saúde, Hilton Soares.

Vacinação

Tanto a vacina contra a COVID-19 quanto o imunizante contra a influenza (gripe) apresentam baixa adesão por parte de alguns públicos.

Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, apenas 54,1% das crianças com idade entre 5 e 11 anos completaram o esquema vacinal contra a COVID.

A imunização contra a influenza tem cobertura vacinal ainda mais baixa para esse grupo - 25,4%.  

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais