Carregando...

Cidades

Caixa-preta da BHTrans: comissão é criada na Câmara reformular autarquia

O anúncio foi feito pelo vereador Gabriel Azevedo durante a 4ª Reunião extraordinária, na tarde desta quinta-feira

Por João Henrique do Vale

O primeiro passo para a reformulação da BHTrans foi dado nesta quinta-feira. Os vereadores votaram a favor da abertura de uma comissão que vai avaliar as mudanças na autarquia. Entre os objetivos está a abertura da caixa-preta da empresa que controla o trânsito na capital mineira e também a revisão do contrato das concessionárias de ônibus

A abertura da comissão foi comemorada pelo vereador Gabriel Azevedo (Patri) durante a 4ª reunião extraordinária realizada na tarde desta quinta-feira. “Escutai bem, empresários de ônibus da cidade. A população cansou. Vocês vão vim aqui nesta Casa para dar explicação. Chegou a hora de discutir a caixa-preta da BHTrans e o lobby dos empresariados”, afirmou o parlamentar. 

A criação da comissão já tinha sido adiantada pelos vereadores no início da semana. Os parlamentares se encontraram com o prefeito Alexandre Kalil (PSD) e outros representantes da prefeitura para discutir a reforma da BHTrans.

Revisão de contratos 

A reformulação na mobilidade de Belo Horizonte também está na pauta do novo presidente da BHTrans, Diogo Prosdocimi. Em janeiro, em entrevista ao Central 98, ele afirmou que o modelo de transporte na capital mineira tem que ser revisto. Segundo ele, a mudança será discutida ainda no primeiro semestre, incluindo a revisão dos contratos com as empresas de ônibus.

Prosdocimi afirmou que até essa reformulação ser concluída, não haverá reajuste nas passagens de ônibus na capital mineira

Promessas de Kalil 

A abertura da caixa-preta da BHTrans foi uma das promessas de campanha do prefeito Alexandre Kalil (PSD) na eleição de 2016. Auditorias realizadas nas contas das concessionárias apontou que a passagem dos ônibus deveriam custar mais de R$ 6. 

Em novembro do ano passado, Kalil afirmou, em entrevista ao programa Roda Viva, na TV Cultura, que iria criar uma supersecretaria para tratar do transporte público

Investigação 

A ajuda concedida pela prefeitura de Belo Horizonte ao Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra) durante a pandemia está sendo investigada pelo Ministério Público de Contas. A administração repassou R$ 4 milhões para amenizar prejuízos das concessionárias. 

O acordo começou a ser costurado em julho e teve a participação do Ministério Público de Minas Gerais. A assinatura do pacto foi feita no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), com a presença do prefeito Alexandre Kalil (PSD) e do presidente do Setra Joel Jorge Paschoalin. O Ministério Público de Contas alega que a prefeitura não apresentou cálculos e estudos técnicos que comprovam os prejuízos das concessionárias. 

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais