Cidades

  1. Notícias
  2. Cidades
  3. Caso Backer: “Espero que a justiça seja feita”, diz vítima em primeiro dia de audiência
Imagem: Déborah Lima / Rede 98

Caso Backer: “Espero que a justiça seja feita”, diz vítima em primeiro dia de audiência

Vanderlei de Paula Oliveira foi o único a participar de oitiva presencial


Por Déborah Lima

As audiências de instrução e julgamento do Caso Backer começaram nesta segunda-feira (23), no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte. A previsão é que, ao todo, 28 testemunhas sejam ouvidas até a próxima semana.

Cinco vítimas foram incluídas na lista para prestar depoimento neste primeiro dia. Apesar de poder ser feito de forma remota, o técnico em segurança de tecnologia da informação Vanderlei de Paula Oliveira, de 39 anos, fez questão de sentar na mesa em frente ao juiz.

“Conversando com a minha família, nós achamos importante eu vir aqui presencialmente, fisicamente, para mostrar todas as cicatrizes que esse veneno me causou”, afirmou.

Ele chegou a ficar internado durante seis meses, sendo três em terapia intensiva. Atualmente, o rapaz ainda precisa fazer hemodiálise, tem dificuldades de fala e de locomoção.

Para Vanderlei, o início do processo judicial dá esperança. “Espero que realmente a justiça seja feita principalmente para as vítimas que não estão aqui para contar a história, que faleceram com esse veneno”, completou.

Primeiro dia do processo

Além de Vanderlei, também foram ouvidas as vítimas por videoconferência Giani Cláudia Setto Vieira, Josias Moreira de Mattos e Cristiano Mauro Assis Gomes. A vítima Antônio Carlos Lisboa foi dispensada da oitiva.

Enquanto testemunha, foi ouvido Carlos Vitor Muller, funcionário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Ele relembrou que técnicos do Mapa constataram uma "substância estranha" no processo de produção da cerveja. Resultados comprovaram a contaminação dentro da fábrica por etilenoglicol e laudos de compras da substância também encontrados.

Investigações do Ministério da Agricultura concluíram que a contaminação ocorria dentro da cervejaria e que nenhuma contaminação de produtos ocorreu fora da empresa.

Apesar disso, ao ser questionada pela defesa dos réus, o funcionário do Mapa afirmou que a utilização da substância não era proibida na indústria alimentícia.

Próximos passos

O objetivo dessas audiências é coletar provas orais. Ainda devem ser ouvidos nesta primeira fase, na condição de testemunhas, delegado de Polícia Civil, peritos e ex-funcionários da empresa.

A data para os depoimentos de testemunhas da defesa e dos réus ainda será marcada.

Ainda não há prazo para o julgamento dos réus.

Acusação

Os sete engenheiros encarregados da fabricação de cerveja e chope foram denunciados pelos crimes de lesão corporal grave e gravíssima, homicídio culposo, além dos crimes imputados aos sócios.

Três técnicos ainda foram denunciados por exercer a profissão sem preencher as condições definidas por lei, porque não eram registrados no Conselho de Química e Engenharia.

O 11º denunciado pelo MPMG é uma pessoa que se apresentou à Polícia Civil, na época, tumultuando as investigações e trazendo a suspeita de que havia ocorrido uma sabotagem, o que não se confirmou.

LEIA TAMBÉM: Backer recebe autorização para voltar produção de cerveja em BH


Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais