Carregando...

Cidades

Imagem: Reprodução/ Redes Sociais

Marinha e Polícia Civil abrem inquérito para investigar tragédia em Capitólio

Deslizamento de pedras atingiu lanchas e deixou ao menos dois mortos

Por João Henrique do Vale

Um inquérito foi aberto pela Marinha para apurar as circunstâncias do deslizamento de pedras que atingiu lanchas em Capitólio,  na Região Centro-Oeste de Minas Gerais.  A Polícia Civil também iniciou apuração. A tragédia deixou ao menos dois mortos e mais de 30 feridos. 

Por meio de nota,  a Marinha do Brasil afirmou que está atuando no trabalho de regaste.  “A DelFurnas deslocou, imediatamente, equipes de Busca e Salvamento (SAR) para o local, integrantes da Operação Verão ora em andamento, a fim de prestar o apoio necessário às tripulações envolvidas no acidente, no transporte de feridos para a Santa Casa de Capitólio, e no auxílio aos outros órgãos atuando no local”, informou.

Por meio das redes sociais, a Polícia Civil de Minas Gerais também afirmou que inicou as apurações. “Os Peritos Criminais da Polícia Civil (PCMG) estão no local do desabamento de parte do cânion do lago de Furnas, em Capitólio, para identificar os danos e as causas do acidente. O Médico-Legista de Passos irá iniciar a necropsia das vítimas fatais”, informou. 

O deslizamento 

De acordo com o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, três lanchas foram atingidas. “Já detectamos que três embarcações foram atingidas, mas esse número pode aumentar, pois tinha uma quantidade muito grande naquele momento.  Das três,  duas afundaram”, comentou. 

Os corpos de dois homens já foram encontrados.  Outras pessoas foram socorridas e encaminhadas para hospitais da região. “Temos 23 vítimas atendidas e liberadas na Santa Casa de Capitólio. Duas pessoas atendidas na Sabta Casa de Piumhi com fraturas expostas. Três vítimas foram para a  Santa Cass de Passos e quatro em São José da Barra”,  comentou. 

Segundo Aihara,  eles foram acionados no início da tarde. “Acionado por volta de 12h por funcionários que trabalham próximo a ponte do Turvo.  Segundo eles,  aconteceu uma cabeça D’água na região dos cânions que provocou rolamento de pedras e estruturas rochosas que atingiram lanchas e turistas que estavam embarcados”, contou.

Uma grande operação foi montada com militares de diferentes batalhões.  Ao menos,  40 militares dos bombeiros estão no local.  Eles contam com auxílio da Marinha. 

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais