Carregando...

Cidades

Imagem: Adão de Souza/PBH

Menos de 20% das viagens de ônibus foram realizadas entre 6h e 7h em BH

Os dados foram divulgados na manhã desta segunda-feira pela BHTrans

Por João Henrique do Vale

A manhã é de caos em Belo Horizonte. Somente 17,5% das viagens de ônibus programadas para acontecer entre 6h e 7h foram realizadas. Os dados foram divulgados pela BHTrans. Os rodoviários fazem uma paralisação nesta segunda-feira para cobrar, entre outras demandas, reajuste salarial. Uma audiência de conciliação está marcada para a tarde no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MG)

Dados da BHTrans mostram que das 1.907 viagens programadas para a faixa horária das 6h às 7h, somente 335 foram realizadas, o que corresponde a 17,5%. “Em função das viagens que deixaram de ser realizadas, cerca de 96 mil usuários deixaram de ser atendidos pelo transporte coletivo municipal”, informou a BHTrans. 

A situação mais crítica é no Barreiro. As duas estações que atendem a região, Barreiro e Diamante, não tiveram nenhuma viagem na manhã desta segunda-feira, segundo a empresa que administra o trânsito da capital mineira. Na estação Pampulha e São José, somente 21% das viagens foram realizadas, São Gabriel e Venda Nova, 25%, Vilarinho, 41%, e nas demais linhas, 20%. 

Decisão judicial 

O TRT concedeu uma liminar às empresas de ônibus determinando que os rodoviários cumpram a escala mínima de 60% dos serviços. O desembargador Fernando Luiz Gonçalves Rios Neto argumentou, na decisão, que “o transporte coletivo é considerado atividade essencial, cuja prestação de serviços não pode ser totalmente interrompida, devendo ser garantida à comunidade a sua continuidade”

O magistrado determinou, também, que o sindicato dos rodoviários “se abstenha de promover quaisquer atos que possam, ainda que indiretamente, colocar em risco a integridade física e moral dos trabalhadores; a liberdade de ir e vir, promover depredações no patrimônio das empresas concessionárias, e obstar a entrada e a saída dos empregados que queiram ocupar seus postos de trabalho, bem como dos veículos da frota, inclusive nas trocas de turnos".

Em caso de descumprimento da medida, os trabalhadores estão sujeitos a multa diária de R$ 50 mil. O desembargador determinou a BHTRANS que fiscalize o cumprimento das medidas. 

Reivindicação dos rodoviários

A paralisação foi definida em assembleia realizada na última quinta-feira no Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belo Horizonte (STTRBH). Na sexta-feira, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) se reuniu com as empresas de ônibus e o secretariado para tentar dar fim o movimento, mas os trabalhadores decidiram manter o movimento. Uma reunião de conciliação está marcada para a tarde desta segunda-feira na Justiça do trabalho. 

Os trabalhadores afirmam que estão há dois anos sem reajuste salarial. Os rodoviários cobram um aumento de 9% + INPC, ticket de alimentação de R$ 800,00, pagamento do ticket no atestado, remoção do banco de horas, abono salarial 2019/2020, a retirada da limitação do passe livre, manutenção do passe livre para o afastado, e melhoria no plano de saúde. 

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais