Carregando...

Cidades

Imagem: Corpo de Bombeiros/ Divulgação

Polícia Civil identifica cinco vítimas de tragédia em Capitólio

Desprendimento de canyon terminou em 10 mortos e mais de 39 feridos

Por Da Redação

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) identificou, neste domingo (9), cinco corpos de vítimas do acidente registrado sábado (8), em Capitólio, sudoeste do estado, no qual parte de um cânion atingiu tripulantes e passageiros de embarcações.

Trata-se de Júlio Borges Antunes, de 68 anos, natural de Alpinópolis (MG), Camila Silva Machado, de 18 anos, natural de Paulínia (SP) e Mykon Douglas de Osti, de 24 anos, natural de Campinas (SP). Os três já foram liberados aos familiares.

Há outras duas vítimas identificadas, Sebastião Teixeira da Silva, de 64 anos, natural de Anhumas (SP) e a esposa, Marlene Augusta Teixeira da Silva, de 57 anos, natural de Itaú de Minas (MG) que aguardam serem retirados do Posto Médico-Legal (PML) pelos familiares.

Todas as cinco identificações foram obtidas por meio da papiloscopia.O delegado regional em Passos, Marcos Pimenta, ressalta que a prioridade da PCMG, neste momento, é a identificação das vítimas. Segundo ele, a equipe de investigação, inicialmente, levantou os dados de dez ocupantes da lancha Jesus, afetada diretamente pela queda da pedra que se deslocou. “Os ocupantes se conheciam e estavam hospedados em uma pousada em São José da Barra”, pontua.

Os corpos e os segmentos corpóreos encontrados na área do acidente, após primeiro trabalho pericial no ponto de apoio, um clube náutico da região, são levados ao Posto de Perícia Integrado (PPI) em Passos. Atualmente, cinco vítimas estão em processo de identificação formal.

Procedimentos

O médico-legista do PPI, Marcos Amaral, resume que “foi um trauma de altíssima energia”. Devido à situação dos corpos, estão sendo aplicados os protocolos adotados no caso das vítimas do rompimento da barragem em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte, inclusive com a colaboração de profissionais do Instituto Médico-Legal Dr. André Roquette, na capital.

“As identificações podem ser feitas por DNA, comparação de radiografias e arcada dentária, e por digitais”, descreve o médico-legista. Ele informa que a coleta de impressões digitais foi feita e encaminhada ao Instituto de Identificação para análise. A Polícia Federal também auxilia nesse trabalho. “Todos os esforços estão sendo feitos para agilizar a identificação e liberação dos corpos”, reitera.

Apurações

Uma força-tarefa, que reúne instituições como a Polícia Civil, o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar, a Defesa Civil e a Marinha do Brasil atuam no caso em diversas frentes, de acordo com as atribuições de cada órgão. Pela PCMG, além da identificação das vítimas, o delegado Marcos Pimenta informa que foi instaurado inquérito policial “visando pormenorizar os fatos e verificar as condições em que ocorreu a queda da pedra”.

Ainda, por parte da Polícia Civil, o delegado regional pontua que foi criado um grupo de acolhimento de familiares para troca de informações que possam auxiliar na identificação, bem como para repasse do andamento dos trabalhos polícia judiciária.


*Com informações da Ascom/PCMG

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais