Carregando...

Cidades

Imagem: Raphael Martinelli / Rede 98FM

Policias fazem manifestação em frente à Cidade Administrativa, em BH

Servidores da segurança pública reivindicam pagamento de recomposição salarial

Por Victor Duarte

Policiais civis, militares, penais e agentes socioeducativos participaram, na tarde desta quinta-feira (9), de uma manifestação em frente à Cidade Administrativa, no bairro Serra Verde, em Belo Horizonte. Eles estão no local para participar de uma audiência pública para tratar de recomposição salarial. 

De acordo com o Sindicato dos Escrivães de Polícia de Minas Gerais (Sindep/MG), o evento foi um convite dos deputados da comissão de segurança pública às entidades de classe. O órgão informou que o pedido dos participantes da audiência não é por aumento, mas sim pelo pagamento da recomposição das perdas inflacionárias

O Sindicato dos Servidores de Polícia Civil do Estado de Minas Gerais (Sindipol/MG) chegou a convocar suas respectivas categorias para a manifestação, que aconteceu por volta das 14 horas. De acordo com o Sindipol, em fevereiro de 2020, o governador Romeu Zema (Novo), enviou à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o Projeto de Lei da recomposição das perdas inflacionárias das forças da segurança pública, sendo 13% em 2020, 12% em 2021 e 12% em 2022.

Ainda segundo o órgão, o PL foi aprovado na ALMG e enviado para a sanção do governador, porém, o governador sancionou somente a recomposição de 13% para os operadores da segurança pública, a partir de julho de 2020, e vetou as demais. 

Representantes do Sindep/MG disseram que a manifestação acontece de maneira pacífica e que a administração estadual chegou a interditar a via próximo ao local da audiência para que os participantes não pudessem chegar ao local. Os manifestantes teriam seguido a pé até o espaço onde a evento vai acontecer.

O Governo do Estado informou que “mantém diálogo aberto com a categoria da Segurança Pública e com todos os servidores, levando em conta as necessidades apresentadas”

O Executivo Estadual alegou ainda que trabalhar para quitar dívidas herdadas e que “o governo conseguiu viabilizar o pagamento integral dos salários de todos os servidores até o 5º dia útil a partir de agosto anunciar o cronograma para o pagamento de férias-prêmio, entre outras questões pontuais”.


Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais