Cidades

  1. Notícias
  2. Cidades
  3. Professores da rede municipal de BH fazem assembleia para discutir a greve
Imagem: SindRede / Divulgação

Professores da rede municipal de BH fazem assembleia para discutir a greve

Categoria está paralisada desde 16 de março para cobrar o pagamento do piso nacional salarial


Por João Henrique do Vale

Professores da rede municipal de ensino de Belo Horizonte estão reunidos, na manhã desta quarta-feira, na Praça da Estação, para discutir a greve da categoria. Nessa terça-feira, representantes da categoria se reuniram com secretários do executivo municipal. 

Os professores estão em greve desde 16 de março. A categoria pede o reajuste do piso pago na capital aos níveis nacionais, que representa um aumento de 33%. Este ano, a prefeitura ofereceu 11,77% de reajuste no salário dos servidores. 

Uma nova proposta foi feita pelo executivo municipal nessa terça-feira. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (SindRede-BH), Vanessa Portugal, afirma o que foi apresentado não atende a categoria. 

“Tivemos reunião com o secretário do planejamento André Reis e com a secretária Fernanda Neves. A proposta apresentada não atende a demanda da categoria de que tenha o reajuste do piso no primeiro nível da carreira. A proposta reduz parcialmente a quebra da carreira, mas ainda assim mantém uma quebra muito prejudicial para a educação na cidade de Belo Horizonte”, informou. 

A prefeitura de BH informou que as demandas dos profissionais da educação foram tema de duas reuniões na Prefeitura. Pela manhã, o prefeito Fuad Noman reuniu-se com os vereadores Bruno Miranda, líder do Governo na Câmara, Bella Gonçalves, Duda Salabert, Iza Lourença, Macaé Evaristo e Pedro Patrus. À tarde, foi a vez de discutir as reivindicações com os sindicalistas representantes da categoria.

“A Prefeitura está sempre aberta ao diálogo com os professores. Temos um respeito muito grande pela categoria dos professores, sabemos a importância deles na vida das pessoas, mas a Prefeitura tem um limite”, afirmou Fuad Noman.

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais