Cidades

  1. Notícias
  2. Cidades
  3. Professores da rede particular de Minas decidem manter paralisação
Imagem: Deborah Lima / Rede 98

Professores da rede particular de Minas decidem manter paralisação

Educadores são contra as mudanças na carreira propostas pelos donos de escolas


Por João Henrique do Vale e Deborah Lima

Os professores da rede particular de ensino de Belo Horizonte e de outras cidades mineiras decidiram manter a paralisação da categoria. A greve foi decretada na última segunda-feira. Educadores são contra as mudanças na carreira propostas pelos donos de escolas. 

Nessa terça-feira, os professores da rede particular se reuniram com o Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinepe) onde discutiram as cláusulas da negociação, no entanto a reunião se encerrou sem uma decisão.

Na manhã desta quarta-feira, os professores se reuniram na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para discutir o movimento. Eles decidiram manter a paralisação. Uma nova reunião foi marcada para a próxima semana. 

“Considerando que as escolas não alteraram a proposta, decidimos pela continuidade da greve e marcamos para a segunda-feira uma nova reunião”, afirmou Thais Claudia da Fonseca, presidente interina do Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro-MG). 

Por meio de nota, o Sinepe afirmou que as negociações estão em curso e que, por isso, não faz sentido a paralisação. “No que diz respeito ao indicativo de paralisação das atividades dos professores pelos seus representantes, o SinepeMG entende que ele não se aplica e nem faz sentido durante o processo de negociação”, afirmou a entidade.  

Reivindicação 

Segundo o Sinpro-MG, os donos de escolas querem retirar o desconto da bolsa de quem atrasar a mensalidade, aumentar o número de situações que permitem reduzir a carga horária dos professores sem ter de indenizá-los, incluir na Convenção uma cláusula chamada de “controle alternativo de jornada”, que cria uma oportunidade para a escola não registrar nem pagar horas extras dos professores, entre outros pontos.

Ainda segundo o sindicato, é intenção do patronal "dividir a categoria", ao propor uma Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) diferente para os docentes do ensino superior. Em relação ao reajuste, eles ofereceram 5% para a educação básica e 4% para o ensino superior – percentuais abaixo da inflação oficial.

Os docentes reivindicam recomposição salarial de acordo com a inflação acumulada desde 2020 e um ganho real de 5% (total de 25,23%), manutenção dos direitos previstos na CCT, regulamentação do trabalho virtual, entre outros pontos de valorização profissional.

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais