Cidades

  1. Notícias
  2. Cidades
  3. Termina sem acordo reunião entre PBH e Setra-BH sobre gratuidade nos ônibus
Imagem: PBH/Divulgação

Termina sem acordo reunião entre PBH e Setra-BH sobre gratuidade nos ônibus

Alexandre Kalil disse que mantém a conversa e ironizou questionamentos sobre o aumento de passagem, já o presidente do Setra questionou até a cobrança de IPVA dos ônibus


Por Marcello Oliveira

Terminou sem acordo mais uma reunião entre o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) que discutiu a gratuidade da passagem no sistema de transporte coletivo da capital.

Kalil discursou por exatos quatro minutos para a imprensa e foi direto: “A gratuidade não pode cair no colo do passageiro que paga a passagem e nós não podemos arcar com a gratuidade e mais o aumento de passagem, porque isso é impossível, tem um contrato”, disse o prefeito, que informou ainda que a discussão está mantida e uma nova reunião está marcada para a próxima quarta-feira (15) às 10h.

Sobre o risco de aumento da passagem para o usuário, o prefeito usou a ironia para comentar. “Não tem aumento esse ano e nem tem tempo de ter aumento esse ano. Me perguntaram tanto se ia ter aumento esse ano que o ano tá acabando”.

O presidente do Setra-BH, Raul Lycurgo Leite, disse na mesma coletiva que o contrato atual é injusto, antiquado e está prestes a colapsar. “Era um modelo que era adotado no Brasil no início dos anos 2000, onde o usuário é o único que banca a tarifa, aí veio a pandemia onde o sistema teve que continuar operando em sua quantidade de viagens normais, mas sem passageiros... e o nosso principal insumo (diesel) teve um aumento de 65% no ano”.

O presidente do Setra questionou outros pontos que podem contribuir para a tarifa cobrada ao usuário, como por exemplo o IPVA cobrado para os ônibus. “O Governo Federal também pode de alguma forma para tirar essa pressão em cima, e o Governo estadual também.... esses veículos pagam 1% de IPVA, só saem da garagem para fazer esse serviço (transporte coletivo), quem compra esse veículo, compra apenas para isso e porque se cobrar 1% de IPVA desses veículos? Quem está pagando? O usuário! Qualquer valor é um valor relevante para que a gente possa tirar a pressão do usuário pagante".

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais