Cidades

  1. Notícias
  2. Cidades
  3. Trabalhadores da Fhemig paralisam atividades; entenda motivo
Imagem: Google Street View

Trabalhadores da Fhemig paralisam atividades; entenda motivo

Categoria teme troca de funcionarios de carreira por outros terceirizados


Por Déborah Lima

Trabalhadores de unidades da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) paralisaram as atividades nesta segunda-feira (11). 

O Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde de Minas Gerais (Sind-Saúde/MG) afirma que há uma substituição dos trabalhadores de cargo de carreira (TOS) por trabalhadores da MGS.

Durante a manhã foi feita uma assembleia onde foram discutidas pautas de interesse da categoria, como “os descontos indevidos do vale-transporte nos contra cheques, fechamento de setores e leitos dos hospitais da Fhemig, e a transferência dos pacientes para hospitais privados”, afirmou o Sind-Saúde/MG em nota. 

Além disso, foi votado e aprovado por unanimidade a decisão de realizar uma nova assembleia na primeira semana de agosto com paralisação geral. 

“Como já noticiado pelo sindicato, os trabalhadores informaram que os rumores de uma tentativa de substituição dos servidores começaram há cerca de 3 meses com um levantamento do quadro administrativo. No entanto, o fato concreto foi apresentado “de boca” pelas chefias. Servidores com anos de carreira foram informados que no outro dia teriam como função treinar essas pessoas. As funções especificadas para o cargo de TOS compreendem atividades administrativas e assistenciais que diferem das áreas terceirizadas pela Fhemig”, explicou o Sind-Saúde.

O que diz a Fhemig

A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) informou que “não há qualquer impacto assistencial na rotina das unidades em decorrência da paralisação.”

A Fundação ainda afirmou, em nota, “que não procede a informação de que está ocorrendo substituição dos Técnicos Operacionais de Saúde (TOS) por profissionais da MGS. Não há dispensas, rescisões ou exonerações de trabalhadores nas unidades”

“O que tem sido feito é uma adição de recursos humanos nos hospitais por meio do contrato já existente entre o Estado e a MGS. Os novos profissionais estão sendo destinados às funções de suporte e apoio às atividades administrativas das unidades”, explicou.

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais