Carregando...

Cidades

Imagem: Duane Cartaxo / Rádio 98

Tragédia de Brumadinho: Juízes adiam julgamento de consultoria alemã

Magistradas solicitaram mais prazo para analisar documentos apresentados durante julgamento nesta terça-feira

Por João Henrique do Vale

O julgamento da empresa Tüv Süd, pelo rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH, foi adiado. Juízes responsáveis pelo caso adiaram a sessão para analisar documentos e depoimentos apresentados pelos advogados de defesa e acusação. Um novo julgamento está marcado para 1º de fevereiro. 

A consultoria alemã é acusada de falsificar documentos que certificaram a segurança da barragem, que se rompeu em 25 de janeiro, provocando a morte de 270 pessoas. Advogados que representam Brumadinho e aproximadamente 1,2 mil famílias atingidas pelo rompimento querem indenizações por danos morais.

O julgamento na Alemanha começou às 9h30 da manhã no horário local (4h40 horário de Brasília). Ele foi encerrado depois de três horas. O advogado Pedro Martins, da PGMBM, escritório que representa Brumadinho e familiares na ação, saiu confiante. "As três juízas se mostraram bem preparadas, conhecedoras dos fatos e fizeram perguntas consistentes sobre o caso. Agora elas vão se debruçar sobre outros documentos e sobre o que foi dito na audiência de hoje pelas partes. Estou confiante que no início do ano elas tomarão uma decisão, parcial ou definitiva", disse.

O prefeito de Brumadinho, Avimar de Melo Barcelos (PV), espera por Justiça. "Queríamos ter saído daqui com uma decisão, com justiça feita. Mas o que vimos hoje nos deixou ainda mais confiantes. Espero que as juízas possam analisar com cautela tudo o que foi dito aqui e que reconheçam Brumadinho e todas as famílias como os verdadeiros atingidos pelo crime, que matou 272 pessoas. Devemos ter outra (audiência) em 1º de fevereiro e estou convicto que será feita Justiça”, comentou. 

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais