Carregando...

Cultura

Imagem: Instituto Estrada Real / Divulgação

Conhecendo o Caminho Velho da Estrada Real

A Estrada Real é composta por quatro caminhos: Velho, Novo, dos Diamantes e do Sabarabuçu. O Caminho Velho foi o primeiro a ser oficializada pela Coroa Portuguesa.

Notícias

Daniel Magalhães Junqueira

Coluna de Turismo assinada por Daniel Magalhães Junqueira - Presidente do Instituto Estrada Real


Com 710 quilômetros de extensão o Caminho Velho — de Ouro Preto a Paraty — primeira via aberta oficialmente pela Coroa Portuguesa para ligar o litoral fluminense à região produtora de ouro no interior de Minas Gerais, no século 17, levava 60 dias para ser feito pelos tropeiros a cavalo.

Reúne beleza natural, histórica, aventura e uma diversificada culinária oferecida com muito charme e aconchego a turistas que passeiam nas 104 cidades da área de abrangência e 24 cidades do Eixo principal.

São localidades de cultura típica de Minas Gerais, um combinado entre as raízes indígenas, africanas e europeias. Essa riqueza é responsável por atrativos como a arquitetura única de Ouro Preto, a gastronomia reconhecida internacionalmente de Tiradentes, as grandes estâncias hidrominerais do Circuito das Águas e a cultura latente de Paraty.


Gastronomia

A gastronomia de Minas sempre foi destaque e é uma das mais ricas, originais e diversificadas do Brasil. Partindo de Ouro Preto, que é ponto central da Estrada Real, passamos pelo pacato, mas delicioso distrito de Santo Antônio do Leite, datado do século XVIII, era considerado um povoado integrante de Cachoeira do Campo, e hoje abriga atualmente um espaço destinado às experiências gastronômicas, com conceito de Mesa coletiva, Cozinha ao vivo e Ingredientes frescos e locais. Passando por Tiradentes que é cenário da Alta gastronomia, com restaurantes que aliam a tradicional culinária mineira com requintadas receitas internacionais e por fim Cruzília, conhecida nacionalmente como a cidade do queijo fino.

Cultura

Além da Gastronomia, se destaca também a cultura. O Caminho Velho abriga três das quatro cidades Patrimônio Cultural da Humanidade: Ouro Preto, Congonhas e Paraty. Ouro Preto, com Centro Histórico, igrejas e minas datadas do século XVIII e sítio arqueológico. Congonhas, cidade que conta com um verdadeiro acervo a céu aberto da arte dos doze profetas de Antônio Francisco Lisboa (Aleijadinho) e Paraty que além do seu centro Histórico, conta com uma Mini Estrada Real, um trecho conservado onde os tropeiros e viajantes partiam a caminho das Minas Gerais e chegavam para seguir em direção a Lisboa.   

Belezas naturais também são grandes atrativos do caminho, com grandes lagos, rios, cânions, cachoeiras, maciços florestais, estâncias hidrominerais, parques ecológicos, grutas e montanhas proporcionam amplos espaços para a prática de esportes radicais e de aventura. Os destaques para Carrancas e suas inúmeras cachoeiras, Caxambu e São Lourenço no Circuito das Águas e as Estâncias hidrominerais, e a Serra da Mantiqueira, uma cadeia de montanhas imponente e bela, onde nascem muitos rios que escorrem pelas encostas. O nome, Mantiqueira, ela recebeu dos índios, seus primeiros habitantes.

Para conhecer toda essa maravilha do Caminho Velho o tempo de viagem varia por modalidade: carro, moto, caminhada, bicicleta e a cavalo, mas que é de livre escolha e de acordo com a disponibilidade de cada turista:

Tempo de viagem

Bicicleta - 15 dias

A pé - 48 dias

Carro e Moto - 8 dias

Cavalo - 24 dias

Essa previsão foi calculada para que o turista possa aproveitar todos os atrativos que o Caminho Velho possui e planejar melhor a viagem.

Agora é colocar o pé na Estrada Real e aproveitar esses destinos imperdíveis. No nosso próximo programa vamos falar das maravilhas do Caminho Novo. Aguardamos vocês! Estrada Real: Uma estrada, seu destino!



* Esta coluna tem caráter opinativo e não reflete o posicionamento do grupo.
Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais