Carregando...

Economia

Imagem: Samuel Barbi - Reprodução

Futebol e Investimentos: como escalar um time vencedor?

Quatro dicas para montar um esquema tático para fazer seu dinheiro render do jeito certo!

Notícias

Samuel Barbi

Especialista em economia, entra ao ar às segundas-feiras com a coluna MundoZFundos, no RádioCast 98


Uma dúvida frequente de quem quer começar a investir é a mesma dos grandes técnicos de futebol: a escalação. Não adianta ter um ataque parrudo e uma defesa cheia de buracos. Todos queremos um time vencedor, para isso, é essencial estratégia. Deve-se formar um time forte na defesa, com meio campo rápido e criativo, além de um ataque eficiente.

Cada técnico terá seu próprio esquema tático, o qual pode ser alterado conforme o adversário e as condições do jogo. 

Confira quatro “escalações” para garantir os investimentos e fazer um golaço na hora de fazer o dinheiro render!

1- Goleiro: Reserva de Emergência

Nenhum time joga sem goleiro, concorda? O goleiro é sua reserva de emergência. É o primeiro jogador a entrar em campo e jamais se deve jogar sem ele na escalação. É quem defende o seu patrimônio de ataques e te garante a segurança final caso haja falha do restante do time. Na dúvida simplifique, um goleirão que pode ser escalado facilmente por qualquer pessoa é o Tesouro Selic, disponível em qualquer corretora de investimentos ou mesmo em alguns grandes bancos.

2- Defesa: Fundos Imobiliários, Consumo não Cíclico e Utilidades Públicas

Uma defesa sólida garante que, quando o time for atacado, terá estabilidade técnica e emocional para roubar a bola e afastar o perigo do gol. No mundo financeiro os defensores são aqueles que não perdem tanto em momentos de crise e sempre geram caixa (rendimentos ou dividendos) para levar a bola pro campo de ataque.

Bons exemplos são os fundos imobiliários, os quais podem sofrer com a queda das cotações em momentos de crise, mas se mantêm pagando dividendos mensais. Atualmente há fundos pagando mais de 1% ao mês, oportunidade muito interessante para colocar esse jogador em campo.

Empresas de consumo não cíclico sofrem muito pouco com a queda de demanda em momentos complicados. Não é porque passamos por uma crise que vamos deixar de usar produtos de higiene pessoal, nos alimentar e beber. Portanto, essas empresas também são boas defensoras. O mesmo funciona para utilidades públicas, como saneamento, energia, gás. O dinheiro gerado por esses pagadores de dividendos pode ser usado para aumentar as posições em momentos de tensão, nos quais os ativos ficam a preços muito descontados.

3- Meio Campo: Consumo Cíclico, Saúde e Setor Financeiro

Já dizia Samuel Rosa: “o meio campo é o lugar dos craques que vão levando o time todo pro ataque”. Nessa posição do campo é preciso ter volantes brigadores, defensivos mas também armadores rápidos e criativos. Inclusive, é um local do campo que recebe muitas substituições para mudar os rumos do jogo. Sua escalação depende do momento político e econômico.

O setor financeiro é como os volantes, se comportam bem na defesa e no ataque. Ganham com a alta dos juros e superam as baixas com destreza. Bancos, seguradoras e até mesmo serviços de saúde têm uma conduta bem adequada a essa posição.

Já os setores de consumo cíclico como varejo, eletrodomésticos, automóveis, construção civil, vestuário, calçados e turismo, dependem muito das condições econômicas do país para se desenvolver. Sofrem mais em momentos de crise, mas desempenham muito bem em momentos de crescimento. Enfim, encontrar o melhor camisa 10 sempre foi o maior desafio dos técnicos, não seria diferente na gestão de uma carteira de investimentos.

4- Ataque: Small Caps e Criptoativos

O que importa realmente para um grande atacante é marcar gols. No caso de uma carteira de investimentos, os gols são alto crescimento e rentabilidade. O ataque é o local do campo em que são realizados os investimentos mais arriscados, como aquele craque que pode ficar sumido ao longo de todo jogo, mas quando a bola chega, empurra pra dentro com grande maestria.

Small caps são ações de empresas com pequeno valor de mercado na Bolsa de Valores, em geral, avaliadas em até R$ 2 bi (não é um número absoluto, esse recorte pode variar). Por serem ainda empresas pequenas, enfrentam uma grande relação de risco x retorno. Caso seu negócio prospere, podem crescer rapidamente e gerar muito valor para seus acionistas, em compensação, existe também o risco de o negócio não dar muito bem e seu dinheiro se perder.

E a bola da vez, o camisa 9, são os queridinhos criptoativos. Eles não geram renda passiva e enfrentam diversas dificuldades para se tornar uma moeda de fato (especialmente nas funções de unidade de conta e meio de troca). Sua expressiva valorização e grande interesse por parte da sociedade vem chamando atenção dos países, bancos, corretoras e empresas. Cada dia fica mais difícil deixá-los no banco de reservas.

Bem, essa é a uma escalação possível, com meu toque pessoal. Tenho certeza que cada um de vocês é capaz de montar uma equipe diferente, até mais vencedora. Quero saber sua opinião: o que mudaria nesse time?

* Esta coluna tem caráter opinativo e não reflete o posicionamento do grupo.
Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais